7 de novembro de 2019

Sanam Teri Kasam (filme indiano)


Você já assistiu Um Amor para Recordar? Chorou? Ficou em prantos e sentiu que já não tinha mais lágrimas? Pois saiba que irá desidratar se der uma chance a Sanam Teri Kasam, um filme que acabou comigo, mas se tornou um dos meus preferidos da vida.

Ele foi uma forte indicação de uma amiga querida, Ayala Bianca, que conheci através da novela Espelho da Vida, quando participávamos do mesmo grupo no Facebook. A novela terminou, mas nossa amizade não.rs Ela ficou tão apaixonada por este filme que me recomendou MUITO e fez de tudo para que eu conseguisse assistir. Só hoje (06/11) tive a oportunidade de me perder nessa bela história de amor e posso dizer que este filme mudou algo dentro de mim. Eu vivo aprendendo, gente! Me permito aprender com cada história, cada experiência, cada chance. E o amor de Saru e Inder me ensinou muitas coisas sobre a vida... Lições preciosas que guardarei em meu coração. 

Vocês sabem que não tenho o hábito de falar de filmes ou séries aqui. Só fazia "resumos do mês" alguns anos atrás e era nesses resumos que comentava brevemente sobre os filmes e séries vistos mensalmente. Fora isso, uma vez ou outra eu faço posts especiais comentando sobre filmes, séries e novelas. É raridade, pois o blog é basicamente sobre literatura. Todavia, eu fiquei tão tocada por essa história que precisei dividir com vocês um pouquinho da minha emoção. 

4 de novembro de 2019

O Corcunda de Notre Dame - Victor Hugo

Literatura Francesa
Título Original: Notre-Dame de Paris
Tradutor: Jorge Bastos
Editora: Zahar
Edição de: 2015
Páginas: 624


Sinopse: Na Paris do século XV, a cigana Esmeralda dança em frente à catedral de Notre Dame. Diante da beleza da jovem, curvam-se o poeta Pierre Gringoire, o arquidiácono Claude Frollo, o disforme sineiro Quasímodo e o capitão Phoebus de Chânteaupers. Neste grande clássico do romantismo francês, Victor Hugo vai muito além de um amor impossível, não correspondido e trágico, O corcunda de Notre Dame retrata uma Paris ainda gótica que testemunha o fim de uma época e o início de outra. 



Estou aqui sentada na frente do computador sem saber por onde começar a falar deste livro. Minhas emoções ainda estão bagunçadas. Estou perdida entre o ódio, a revolta, a dor, o amor pelos personagens e uma horrível sensação de injustiça. Não imaginava que o livro fosse mexer tanto comigo. 

"Desde os seus primeiros passos entre as pessoas, ele se viu e se sentiu conspurcado, machucado, rejeitado. A palavra humana, para Quasímodo, sempre fora de deboche ou de maldição. À medida que crescia, ele encontrava apenas ódio à sua volta."

Não tenho dúvidas de que O Corcunda de Notre Dame provocou (e ainda provoca) os mais diversos debates, estudos e pesquisas. São muitas as interpretações possíveis para esta história e fica evidente para qualquer leitor que ao escrever este livro o autor, Victor Hugo, tinha todo o objetivo de chamar a atenção dos leitores da época para a Catedral de Notre Dame de Paris, embora seja possível perceber também que ele não tocou em certos temas sociais e fez críticas políticas à toa. Mas deixo que os especialistas, os críticos literários, se aprofundem em tais assuntos. Nesta resenha falarei apenas dos personagens e como suas histórias de vida mexeram com meus sentimentos, me marcaram de uma forma que é praticamente impossível colocar em palavras. 

"Adquiriu a maldade ambiente. Apossou-se da arma com que o feriam."

Neste livro temos três personagens principais: Claude Frollo (que eu chamo "carinhosamente" de demônio em forma de gente), Quasímodo e Esmeralda. O destino desses três personagens se entrelaça de tal forma ao longo da história que até mesmo o leitor mais distraído consegue perceber que nada de bom poderia sair dali. Sentimos que uma grande tragédia acabaria por marcar suas vidas, por mais que no fundo do nosso coração torcêssemos para que houvesse uma esperança. Uma saída. 
Topo