31 de dezembro de 2018

Retrospectiva 2018 - Melhores do Ano



- Olá, meus queridos! 

Que final de ano mais corrido! Eu estou surtando aqui com tanta coisa que ainda necessito fazer antes da virada. Incluindo terminar a leitura de um livro que deveria ter lido em novembro.rsrs Sim, consegui me enrolar por completo. Isso que dá ler outras histórias em vez de ler as dos desafios.kkkkkkkk... 

É inegável que 2018 foi um ano muito complicado. Terminei a faculdade (graças a Deus!) e o último período foi bastante tumultuado por causa de TCC, ENADE e todas as outras exigências. Existiram dias que eu não tinha energia sequer para dormir.kkkkk Deitava na cama e ficava virando de um lado para o outro, tão cansada que não era capaz de dormir. Sim, uma loucura! No entanto, por incrível que pareça, consegui ler mais do que no ano passado. 

Que tal fazermos uma breve comparação dos anos anteriores? Não vou começar pelo ano de criação do blog (2010) porque só comecei a anotar as leituras que fazia por ano em 2011. Antes eu anotava sem especificar quando a leitura tinha ocorrido, infelizmente. Mas sei que 2010 foi o ano que mais li. Passou de 150 livros. E nunca consegui atingir o mesmo número. :(

- Ano de 2011: 83 livros. 
- Ano de 2012: 53 livros.
- Ano de 2013: 34 livros. 
- Ano de 2014: 26 livros. 
- Ano de 2015: 32 livros. 
- Ano de 2016: 39 livros. 
- Ano de 2017: 43 livros. 
- Ano de 2018: 65 livros. 

Fiquei muito feliz por ter lido tanto em 2018, uma vez que minha meta inicial era ler apenas 50 e consegui ler quinze a mais, mesmo com o TCC infernizando minha vida. Para 2019 eu vou ousar mais: quero ler pelo menos 100 livros. Veremos se conseguirei!kkkkkkkk... 

Dos livros que li em 2018:

- 12 foram nacionais. 
- 18 foram clássicos. 

* Considerando que eu pretendia ler 12 nacionais e 12 clássicos consegui cumprir a meta e ultrapassá-la no que se refere aos clássicos. :D

- Como sou um tanto louca eu participei de alguns desafios este ano. Vamos ver se fui bem?rs



Observação: até que fui bem, verdade?kkkkkk... Estou tentando finalizar a leitura do livro de novembro, mas acho que não conseguirei. Além disso, preciso fazer a resenha do de dezembro. Posso dizer que concluí 11 das 12 leituras pretendidas para este desafio. 



Como vocês já sabem consegui cumprir o desafio de ler 12 livros nacionais, embora tenha optado por outros livros em vez de ler os que tinha predeterminado. Mas e o Desafio Mensal?rs As coisas iam muito bem até o mês de junho, ou seja, metade do ano!kkkkkkk Li regularmente os dois livros predeterminados para cada mês. Quando chegou em julho eu também li dois, mas fiz uma alteração: não li Emma, de Jane Austen e sim Hamlet, de Shakespeare. E a partir daí desandou. Passei a só conseguir concluir a leitura de um dos dois livros escolhidos para os demais meses. Assim, dos 24 livros consegui ler apenas 19. 


Ela teve início em julho deste ano e só terminará em junho/2019. E os temas de 2018 eu concluí com sucesso. Li todos os seis livros. 

Leitura Coletiva

Este ano eu participei pela primeira vez da organização (juntamente com alguns outros blogs) de uma leitura coletiva e foi uma experiência incrível! Manteremos este projeto no próximo ano. E já adianto que em fevereiro leremos Jane Eyre, de Charlotte Brontë. Aguardem que muito em breve publicarei o post com todas as informações! :D 

Deste projeto concluí dentro do prazo todas as leituras que estipulamos: O Morro dos Ventos Uivantes, de Emily Brontë (que na verdade eu reli); Norte e Sul, de Elizabeth Gaskell; O Conto da Aia, de Margaret Atwood. 

- De forma geral eu cumpri bem os desafios.rs E os livros que não consegui ler este ano (porque li várias outras histórias que não faziam parte das metas.rsrs) serão prioridade em 2019. 

Que tal finalmente falarmos dos MELHORES DO ANO?! Mas antes preciso fazer algumas menções honrosas:

Amor em Manhattan - Sarah Morgan
O Despertar do Lírio - Babi A. Sette
Hoje e Sempre - Nora Roberts
Razão e Sensibilidade - Jane Austen
As Filhas da Noiva - Susan Mallery
Segredos de Uma Noite de Verão - Lisa Kleypas
Era Uma Vez no Outono - Lisa Kleypas
O Vento da Noite - Emily Brontë
Outros Jeitos de Usar a Boca - Rupi Kaur

*Os livros acima apesar de não terem ficado entre os 12 melhores do ano merecem sim uma posição de destaque. São livros favoritos do meu coração e que não conseguiram ficar entre os doze porque fiz muitas leituras maravilhosas e tinha que escolher entre essas leituras incríveis aquelas que tinham um diferencial que as tornava mais especiais. Foi muito difícil escolher. :(


MELHORES DE 2018 (não estão em ordem de preferência)



Este livro me provocou fortes emoções. Algo que eu não esperava. Não dava muito pela história, mas quando comecei a ler foi impossível parar. Claro que odiei o Bento com todas as minhas forças e tenho certeza que a Capitu não o traiu (cito na resenha todos os meus motivos para não acreditar na traição). Ele não passava de um doente, um homem obsessivo, que ainda por cima tinha inveja da própria esposa. Era um ser desprezível que a Capitu teve a infelicidade de conhecer e por ele se apaixonar. Senti muita pena dela. :(

Eu já era fã do Machado de Assis antes deste livro, pois ele me ganhou através dos seus contos. Mas foi Dom Casmurro que me fez perceber o quanto ele era realmente brilhante. A ambiguidade presente em todas as suas obras que li se faz ainda mais evidente neste livro. A construção do enredo e dos personagens é da genialidade de um mestre. 



Se Dom Casmurro mexeu com minhas emoções, Sorrisos Quebrados me deixou em pedaços. Foram muitas lágrimas, muito sofrimento pela quantidade de coisas pelas quais a Paola e a pequena Sol passam. E o André que sofre pelas duas também. Mas depois a forma como eles três recomeçam é tão linda, tão tocante que não existia maneira deste livro não ficar entre os melhores. 

Paola foi vítima de violência doméstica. Seu marido era um monstro e ela carregava em seu corpo as cicatrizes do momento em que ele quase a matou. Mas eram as cicatrizes da alma que mais doíam, que a impediam de seguir em frente. É quando a pequena Sol e seu pai André surgem na vida dela que nossa protagonista consegue voltar a acreditar. No amor e nas pessoas. É um livro belíssimo! Amo demais!



Este livro também aborda o tema da violência doméstica só que se trata de um thriller psicológico, onde acompanhamos o terror da protagonista e o risco que representa uma tentativa de fuga. É uma leitura de tirar o fôlego, que nos envolve por completo e torcemos para que a mocinha consiga escapar de um relacionamento tão destrutivo, tão... letal. Sabemos que o tempo dela está se esgotando, que a qualquer momento ele poderá colocar um ponto final na vida dela e isso nos angustia demais. E embora o livro seja simplesmente maravilhoso foi a maneira como ele terminou que o tornou digno de estar entre os melhores. Que final mais incrível, meu Deus! Perfeição resume aquilo!rs 



Quando fiz a resenha eu disse que este livro não ficaria de fora dos melhores. Enquanto muitos massacraram a história, enxergando um milhão de defeitos no livro e nos protagonistas, eu simplesmente AMEI. É uma das minhas histórias preferidas da autora, chegando a ser melhor do que a maioria dos livros da série Os Bridgertons (sim!!! E olha que amo essa série!!!). Ele reúne muitos dos elementos que mais aprecio num romance e foi impossível não ficar suspirando e sonhando acordada depois de lê-lo. Até mesmo reli algumas cenas uns dias atrás, de tanta vontade que eu tinha de mergulhar novamente na história. 

Neste livro encontramos um amor à primeira vista, daquele tipo no qual conseguimos acreditar, de tão intenso que tudo foi para o casal. E o Robert, além de se apaixonar perdidamente pela Victoria, não enxerga na posição inferior dela um obstáculo ao casamento deles. Quer passar a vida ao seu lado. Independentemente de qualquer coisa. Enquanto outros mocinhos se importariam mais com a posição social do que com o amor e iriam querer a amada como "amante" enquanto procuravam se casar com alguém de sua classe, Robert estava disposto inclusive a perder tudo (já que seu pai o deserdaria) só para estar com ela. Tê-la como esposa. Não tem jeito, gente! Impossível esta história não possuir um lugar todo exclusivo no meu coração! :D



Este ano a Harlequin publicou muitos livros lindos! E vocês verão mais de um dos seus lançamentos entre os melhores de 2018.rs 

A Verdade sobre Amores e Duques me arrebatou por completo, uma história que além de contar com dois protagonistas determinados que mesmo enlouquecidos de amor não jogariam fora seus princípios, ainda nos traz uma mocinha que adota a causa das sufragistas, lutando por igualdade, justiça e liberdade. Irene é dona de si, administra o jornal da família e as finanças da casa enquanto o pai se afoga na bebida. Ela sabe o que quer para a própria vida e não se deixa abater pelas dificuldades enfrentadas por uma mulher em sua época. E amor algum a faria abandonar sua causa e este é um dos principais pontos de confronto entre o casal, já que Henry é um homem tradicional e até poderia "perdoar" o fato de Irene ser de uma classe inferior, mas não podia admitir suas ideias modernas e "escandalosas".rs É um livro apaixonante! Amei demais os dois e torci para que conseguissem encontrar um ponto de equilíbrio e serem felizes mesmo com suas diferenças. :)



Pense num livro muito forte. Esta história partiu meu coração em vários pedaços e não sou capaz de falar dela sem começar a chorar. É um livro muito rico, recheado de temas significativos e que o tornam digno não apenas de ser um dos melhores livros que li no ano, mas em toda minha vida. 

Nunca serei capaz de esquecer o Hassan e tudo pelo que este pequeno caçador de pipas passou. Deus do céu! Me dói muito lembrar, gente. Já estou chorando de novo. Enfim... Se quiserem saber mais sobre a história leiam a resenha, pois sou incapaz de seguir falando sem me emocionar. 



Outra história da qual não conseguirei falar já que também me deixou em prantos. :( Eu gostava muito das obras do José de Alencar antes deste livro, mas foi Lucíola que me fez perceber o quanto ele era um autor único. 

Este livro nos mostra o quanto as supostas "pessoas de bem" podem ser verdadeiros lixos. Ao se sentirem tão superiores muitas das pessoas "corretas" desta história usam e abusam daqueles que não têm nada e precisam fazer o que seja necessário para sobreviver. A história de Lúcia me impactou, tudo o que essa jovem sofreu, o que a tornou a cortesã que ela era... Eu não a julguei por nada. Foram os outros que mereceram meu desprezo e meu ódio. Esta história é maravilhosa, embora muito triste. O melhor livro que li do José de Alencar. Um dos meus preferidos da vida. 



Para terem uma noção dos assuntos abordados neste livro segue um trecho da minha resenha: 

É um romance com forte contexto social, no qual a autora quis transmitir uma importante mensagem. Mostrar de maneira aberta e um tanto crua como era a vida das pessoas que trabalhavam e dependiam das fábricas, cujos patrões se mostravam cegos, como se operários e industriais tivessem que ser inimigos, onde concessões não eram admitidas. Conhecemos uma realidade de desespero e fome, de doenças causadas pelo trabalho extenuante e insalubre, de salários que não eram suficientes sequer para colocar comida na mesa, quando o preço da carne e dos outros alimentos subia e os salários em vez de aumentarem eram reduzidos sem que os patrões estivessem dispostos a darem explicações. Como não estourar uma greve? Se nenhum patrão estava disposto a olhar para o outro lado e enxergar que seus funcionários não eram máquinas? Que tinham famílias que precisavam sustentar? Que a angústia e as doenças os estava destruindo? 

Preciso dizer mais alguma coisa? Este livro é simplesmente maravilhoso, tratando de assuntos reais e importantes, como a situação miserável em que muitos trabalhadores se encontravam na Inglaterra do século XIX e hoje em dia ainda se encontram em diversas partes do mundo, incluindo o Brasil. Mas como diriam certas pessoas: "É difícil ser patrão no Brasil". Imagina, então, ser empregado! 



Eu amo todos os três livros que li da Jane Austen, mas Persuasão conquistou um espaço especial. Creio que pelo fato de algumas das escolhas erradas da protagonista terem me recordado meus próprios erros. Deixar alguém te persuadir, te manipular é uma das formas mais eficazes de ferrar com a própria vida. Anne percebeu isso quando já era bem tarde e passou por anos de sofrimento, separada do homem a quem amava porque preferiu dar ouvidos ao que sua família e uma amiga "cheia de boas intenções" achavam que era correto para ela. As coisas poderiam ter terminado bem diferente se não se tratasse de um romance com garantia de final feliz. A história entre a Anne e o seu amor me emocionou muito e torci demais pelos dois. Para que pudessem ser felizes apesar de tudo. 



Eu acreditava que O Despertar do Lírio estaria entre os melhores, mas aí eu li Senhorita Aurora e a história me atingiu de uma maneira... Mergulhei de cabeça na história dos protagonistas, no passado de ambos, no quanto lutaram para chegar onde tinham chegado, quantas coisas tiveram que superar. Mas não foi só o fato de ter amado muito o livro que o fez merecer estar aqui: a autora abordou um tema muito delicado e que eu jamais tinha lido em livro algum. E trabalhou tudo de maneira tão humana e sensível que foi impossível não ficar impressionada. Ela me fez refletir muito e perceber como muitas vezes eu mesma não compreendi a dor do outro, não olhei realmente para a outra pessoa. :( Este livro foi muito importante para mim. 



Embora Amor em Manhattan tenha me libertado de uma baita depressão literária e tenha merecido uma menção honrosa neste post, foi Pôr do Sol no Central Park que mais me envolveu, que se tornou o meu favorito da série. É aquele tipo de livro que é uma delícia ler, do tipo que te faz rir, até mesmo gargalhar e em outros momentos contém cenas capazes de deixar seu coração com aquela sensação de quentinho. Só em mencioná-lo já sinto vontade de reler! Recomendo muito! 



Preciso mesmo explicar o motivo de ela estar aqui?! Creio que esta história se tornou tão conhecida mundialmente que acaba por falar por si mesma e é fácil entender porque está entre as melhores. Trata-se de uma distopia (não tão impossível assim de acontecer), em que um governo teocrático e totalitário se instaura após um golpe de Estado. Dispostos a trazerem de volta o que era praticado e autorizado no Antigo Testamento bíblico (conforme interpretação distorcida dos membros deste governo) eles decidem suprimir todos os direitos que as mulheres possuíam, tornando-as meros objetos nas mãos do novo regime, que decidia quem permanecia casada e quem não, quem era "digna" de ainda ser considerada mulher e quem passaria a ser vista como "não mulher", entre outros absurdos. E assim surgem também as aias, que eram mulheres férteis transformadas em escravas sexuais dos membros do alto escalão, com a missão de procriar. É um livro muito forte e impactante, que nos faz perceber o quanto cada direito que possuímos é frágil, como tudo pode mudar...


É isso, gente! Desejo a todos UM FELIZ ANO NOVO!!! Que 2019 seja um ano abençoado para todos nós, recheado de amor, saúde, paz e boas conquistas. Vocês sabem que não estou muito feliz com o governo que começará no próximo ano, que não estou muito otimista, mas ainda assim sou incapaz de não ter esperanças de que 2019 e os próximos anos sejam bons, porque preciso acreditar nisso. Preciso ter fé. E espero que o amor se faça muito presente em nossos corações. Não só o amor por nós mesmos, mas pelo próximo. Que consigamos enxergar o sofrimento do outro e fazer o que estiver ao nosso alcance por um mundo melhor. Dizem que uma andorinha só não faz verão. Mas uma só atitude boa pode fazer uma enorme diferença sim

Espero que possamos ser melhores e mais solidários neste próximo ano. Que paremos de destruir a nós mesmos. Que nossa boca fale mais coisas positivas do que negativas sobre o outro. Que estendamos nossas mãos para abraçar e não acusar, que se alguém estiver no chão façamos por onde ajudá-lo a levantar. Dia 1º é o Dia Mundial da Paz. Mas não devemos buscar a paz apenas neste dia e sim em todos os outros da nossa vida. 

Desejo a todos um novo ano maravilhoso! 


Bjs!

29 de dezembro de 2018

Mais Forte que o Sol - Julia Quinn

(Título Original: Brighter than the sun
Tradutora: Viviane Diniz
Editora: Arqueiro
Edição de: 2018)


Irmãs Lyndon - Livro 2


Quando Charles Wycombe, o irresistível conde de Billington, cai de uma árvore – literalmente aos pés de Elllie Lyndon –, nenhum dos dois suspeita que esse encontro atrapalhado possa acabar em casamento.

Mas o conde precisa se casar antes de completar 30 anos, do contrário perderá sua fortuna. Ellie, por sua vez, tem que arranjar um marido ou a noiva intrometida e detestável de seu pai escolherá qualquer um para ela. Por isso o moço alto, bonito e galanteador que surge aparentemente do nada em sua vida parece ter caído do céu.

Charles e Ellie se entregam, então, a um casamento de conveniência, ela determinada a manter a independência e ele a continuar, na prática, como um homem solteiro.

No entanto, a química entre os dois é avassaladora e, enquanto um beijo leva a outro, a dupla improvável descobre que seu casamento não foi tão inconveniente assim, afinal...




Palavras de uma leitora...



- Este foi o mês dos romances de época aqui no blog.rsrs E não foi intencional. Era livro de parceria, livro atrasado do desafio de novembro, livro escolhido para um desafio de dezembro... Enfim... Não tinha como evitar. Mas é óbvio que fiquei bem feliz, certo?rs É um dos meus gêneros preferidos. 

E depois de me encantar tanto com as histórias da Deborah Simmons bateu uma vontade louca de ler outro romance de época. Isso quando eu estava lendo A Utopia, de Thomas More (um clássico com linguagem um tanto difícil) e Harry Potter e o Cálice de Fogo (envolvente, mas longe de ser uma história de amor romântico, claro. É um infantojuvenil). Cheguei a comentar com as meninas no grupo de leitura que eu estava planejando largar tudo e ler o livro que eu queria ler. E foi exatamente o que fiz. :)

- Se você acompanha o blog certamente sabe que em março eu publiquei a resenha de Mais Lindo que a Lua, livro da minha diva Julia Quinn que passou na frente de várias de suas outras histórias, pois o povo estava massacrando tanto o livro (era uma chuva de resenhas negativas) que me vi na obrigação de ler a história e saber que diabos acontecia de tão ruim para o livro ser tão desprezado. Eu terminei a leitura me sentindo no paraíso.kkkkkk... A história é maravilhosa e o casal muito envolvente, ao ponto de se tornar uma das minhas histórias preferidas da autora (em pé de igualdade com Um Perfeito Cavalheiro) e uma das melhores leituras deste ano. Não fui capaz de enxergar o que tinha de tão errado no protagonista para despertar tanto enojo. Tentei encontrar o motivo, mas não foi possível.rs E só em mencionar o livro já morro de vontade de relê-lo. Uma delícia de história! 

E aí o que me aconteceu?! Mais Forte que o Sol foi lançado! Eu pensei: quero, quero, QUERO! Necessito. Desesperadamente. E ganhei de presente. Só que veio o balde de água fria: resenhas extremamente positivas, comparando ambos os livros e colocando o outro (que eu amei) num patamar tal de inferioridade que eu senti tanta, mas tanta raiva que tive vontade de arremessar Mais Forte que o Sol pela janela, pois voltei toda minha revolta contra o livro.kkkkkkk.. E decidi que seria impossível lê-lo naquele momento, quando minha raiva ainda era tão forte. Seria necessário deixar o tempo passar e resolver todas as coisas no meu interior.kkkkkkkkkk... Sim, sou exagerada assim!rs

- A história entre o casal se inicia de uma forma um tanto inusitada. Afinal de contas, tudo o que Ellie menos esperava era que um homem caísse do céu, ou mais precisamente de uma árvore, em cima do seu pé. Coisas assim não aconteciam todos os dias (felizmente) e ela não estava lá com muita paciência para cuidar de um desconhecido ferido e visivelmente bêbado. Sobretudo porque o arrogante, mesmo naquelas condições, insistia em tirá-la do sério e testar seu potencial de boa samaritana. 

"- Suas presas estão à mostra, Srta. Lyndon.
- Estão? [...] Tenho que me lembrar de escondê-las."

Após a troca esperada de farpas, Ellie decide conduzir Charles em segurança até a cidade, mas acaba ficando em choque quando, além de tentar beijá-la, o embriagado decide pedi-la em casamento. O que parecia uma brincadeira de mau gosto se mostra um pedido real e descabido quando Charles lhe confessa seus motivos para estar naquelas condições e desejar tanto uma esposa. O pai, com o qual ele não se dava bem, decidiu que se ele não se casasse até os 30 anos (e permanecesse casado) perderia toda sua herança. Ficaria apenas com o título de conde e a propriedade vinculada ao título. O dinheiro todo ficaria para seu primo, o que o deixaria na completa miséria. E seu trigésimo aniversário aconteceria dali a quinze dias. 

" - É estranho, mas sinto um desejo avassalador de beijá-la. 
Pela primeira vez desde a queda do conde, Ellie ficou sem fala. 
Charles mordia, pensativo, o lábio inferior. 
- Acho que é o que vou fazer."

Desnorteada com o rumo que as coisas tomaram, Ellie pede a ele um tempo para pensar, já adiantando que a possibilidade de que a resposta fosse "não" era grande. Não o conhecia. E nada no mundo poderia fazê-la se casar com alguém com quem tinha trocado apenas poucas palavras (a maioria aos berros)... a não ser sua nova e insuportável madrasta. 

Desde que a irmã saíra de casa, oito anos antes (após os acontecimentos do primeiro livro), Ellie ficara responsável pelos afazeres domésticos e o cuidado com o pai. Além disso, também ajudava na limpeza da Igreja e acreditava que assim estava pagando pelo seu sustento. Só que a noiva de seu pai pensava de maneira diferente e deixara mais do que claro que a situação de Ellie seria insuportável naquele lugar se ela não tomasse juízo e se casasse, com quem quer que fosse, e saísse dali. Após uma discussão exaltada com a mulher, ela percebeu que realmente não era possível mais continuar naquela casa. E o que faria sem emprego ou qualquer perspectiva? Se casar com algum dos escolhidos pela madrasta estava fora de questão. É claro que ela tinha uma saída temporária... poderia resgatar o dinheiro que juntara no banco e se manter por alguns meses até sua irmã Victoria voltar de viagem e ajudá-la a conseguir um emprego, usando de sua influência como condessa. Acontece que todo o dinheiro que guardara o fizera em nome do pai e agora só poderia tê-lo de volta se o mesmo assinasse um documento com a autorização, com a assinatura também de uma testemunha. Algo impossível. 

Assim, sem alternativa, ela vai até a residência do Charles disposta a considerar sua proposta, desde que fosse conforme os seus próprios termos. Poucos dias depois, ela já não era mais a senhorita Lyndon, mas sim a condessa Eleanor Wycombe. Esposa de Charles. Um desconhecido. Alguém que a irritava e divertia na mesma medida. Alguém cujos beijos a faziam perder a noção de tudo, mas para quem ainda não se atrevia a se entregar. Era sua esposa no papel. E em todos os outros aspectos, menos na cama. 

Com a convivência eles teriam a oportunidade de se conhecer e construir um relacionamento se não baseado no amor, pelo menos na amizade. Todavia, incêndios, envenenamentos e tentativas de assassinato podem tornar as coisas um tanto... complicadas. 

"- Você não sabe ser uma esposa. 
- Sou esposa há apenas um dia - resmungou ela. - O que esperava?"

- Ao iniciar a leitura deste livro eu já estava em paz com ele. E foi uma leitura tão prazerosa que em menos de vinte e quatro eu já tinha terminado, com um sorriso bobo no rosto e suspirando aqui encantada com o romance leve e divertido que se desenvolve entre o casal. É realmente um livro muito fofo, mais voltado para uma comédia romântica, que nos faz gargalhar em alguns momentos e sorrir até o final da história. Todavia, ele é apenas isso. Um romance divertido. Então, já adianto que não existiria maneira de eu considerar Mais Forte que o Sol superior ao primeiro livro da duologia. Sem chance. Ainda mais porque ele não consegue ser superior a nenhum outro livro que li da autora. O que não significa que ele é ruim. Nada disso. É apaixonante! Só não tem o "algo a mais". Quando percebi isso confesso que o ressentimento voltou. Não por conta do livro, mas por colocarem uma história que tinha tantas coisas superiores a esta numa posição inferior. Isso me dá um nervoso, não adianta eu negar.rs Eu sei que gosto é algo muito pessoal, mas meu coração não entende muito de razão.rs

Mas se é para comparar, então que tal compararmos?rs Começando pela questão da profundidade. Cada diálogo trocado entre o casal deste livro aqui é baseado na comédia. Eles não sabem conversar de maneira séria sobre nada. Tudo é piada. O que é realmente divertido, pois são diálogos inteligentes, mas carentes de profundidade. Enquanto isso no primeiro livro da duologia muitos dos assuntos tratados e das brigas eram sérias. Se eles pretendiam tratar com ironia era daquela forma ferina, capaz realmente de atingir. Não ficavam levando tudo na brincadeira. 

Segundo ponto: o casal deste livro aqui tem a mania de gritar o tempo todo. Sim. É o tempo inteiro vendo motivos para gritar. E isso me cansava um pouco, confesso. Não estraga a leitura. Não mesmo! Mas quando você nota que tudo é motivo de grito fica com vontade de sacudi-los para ver se se comportam como adultos. 

Terceiro ponto: casamento por conveniência é um dos meus temas preferidos e foi delicioso ler isto neste livro. Mas se estou comparando as duas histórias não posso deixar de pensar numa grande injustiça. Ellie se casou com Charles, um desconhecido, numa questão de poucos dias. E ninguém questionou isso. A madrasta dela ficou feliz (afinal era um conde) e o pai dela ficou emocionado, querendo até fazer o casamento dos dois. Ressalto: Charles era um desconhecido. Sabiam quem ele era de nome? Claro! Mas nunca o caminho deles tinha se cruzado. Bem diferente do que se passa no primeiro livro já que Robert além de também ser conde era conhecido no local. E seu relacionamento com a Victoria já levava meses. Mesmo assim o pai dela ficou furioso, se negou a autorizar o envolvimento dela com ele e chegou a agredi-la e amarrá-la para impedi-la de ir ao encontro do Robert. Não é desproporcional? A Victoria comeu o pão que o diabo amassou, foi embora de casa e se sujeitou a trabalhos humilhantes porque seu pai a impediu de casar com o homem que ela amava e tanto tentou que os separou, fazendo com que o Robert a odiasse. Mas Ellie se casar com um desconhecido era perfeitamente aceitável e bastou UMA conversa com o homem para ele perceber que era a pessoa ideal para sua filha, que tinham mesmo que se casar tão rápido assim. Isso fez eu perceber a diferença no tratamento dado às duas filhas. E não cola a desculpa dele de que o que fez com a Victoria o fez aprender alguma coisa. Porque Ellie se casou numa questão de dias! Parece que todas as exigências do pai só eram voltadas para a Victoria. Isso só fez meu coração doer mais pela minha querida mocinha. O tanto que ela sofreu por causa do desgraçado do pai! 

- No entanto, nenhum dos pontos que ressaltei impedem Mais Forte que o Sol de ser um livro lindo. Só fiz a comparação porque depois de tantas comparações negativas feitas em outras resenhas, Mais Lindo que a Lua merecia que eu deixasse claro meus motivos para saber que ele é superior ao segundo livro da série. E isso porque nem mencionei que Ellie não tinha reais motivos para mergulhar naquele casamento tão repentino. Victoria voltaria de viagem em poucos meses. E tudo se resolveria para ela. Não precisava ficar presa a vida inteira a um casamento "indesejado" se a sua irmã estava prestes a voltar e seus problemas poderiam ser resolvidos em pouquíssimos meses. 

"- Amo você. 
- Também amo você. Agora saia antes que eu atire algo na sua cabeça."

- Dei 4 estrelas ao livro porque ele realmente me encantou. Foi uma leitura deliciosa, que me proporcionou a tranquilidade que eu precisava. E posso dizer sim que amei. E que a Ellie e o Charles formam um casal lindo juntos e o epílogo nos deixa com aquele gostinho de quero mais. Sem mencionar a participação especial da pequena Judith, prima de seis aninhos do Charles, que mora na mesma casa (juntamente com a mãe e a irmã mais velha, que foram acolhidas pelo mocinho quando estavam desamparadas) e é responsável por cenas cheias de ternura. Ela é muito fofa! Dava vontade de entrar no livro e abraçá-la! Gostaria muito de ler a história dela. Que a autora mantivesse a essência da personagem e criasse um livro todo seu. Ela roubou meu coração. :)

26 de dezembro de 2018

Uma Visita Inesperada - Deborah Simmons

(Título Original: The Unexpected Guest
Tradutora: Denise Ponte Rosa
Editora: Harlequin
Edição de: 2007)


O Clã De Burgh - Livro 3.5


O chefe da poderosa família De Burgh tem sua tranquilidade abalada pela jovem e sedutora viúva que se hospeda em seu castelo durante os 12 dias das comemorações de Natal. Mas o espírito natalino faz milagres e é capaz de aproximar dois corações solitários, abençoando-os com a dádiva do amor!


Palavras de uma leitora...


- Eu pretendia publicar esta resenha na noite de Natal, mas estava cansada demais, por isso não consegui terminar a leitura a tempo.rsrs 

Quem acompanha o blog sabe que a última resenha que publiquei foi a do livro O Lobo Domado, o primeiro da série Clã De Burgh. O correto seria seguir a ordem, porém, além de não ter os dois que antecedem Uma Visita Inesperada, este se passa na época de Natal. O que me fez considerar o momento perfeito. 

O conde de Campion não estava feliz. As comemorações de Natal estavam para começar e ele sabia que naquele ano tudo seria diferente. Como se não bastasse a ausência de enfeites no salão e na árvore a alegria que costumava invadir seu castelo naquela data seria incompleta, uma vez que cinco dos seus filhos não compareceriam. O tempo estava muito ruim, os caminhos intransitáveis e somente um louco se atreveria a arriscar a própria vida apenas para passar a data com o pai. Ele compreendia. Mas no fundo estava triste. Todavia, a chegada tumultuada de uma jovem e bela viúva promete não só trazer alegria para a sua festa, mas também para o seu coração. Não importava que ele sentisse que por trás de toda a coragem e determinação ela escondia algum segredo. 

- Esta história é um pouco mais que um conto. Tem ao todo menos de noventa páginas e eu considero uma novela. Por isso nem posso falar muito para não correr o risco de contar o livro todo.rs 

Lembro de ter me encantado pelo patriarca dos De Burgh logo que o conheci no primeiro livro. Embora já tivesse sete filhos crescidos ele parecia seguir sendo muito responsável por todos eles, mesmo sem saber bem como convencê-los de que estava na hora de serem independentes, assumirem suas próprias responsabilidades e construírem a própria família. Eu sentia que ele queria os filhos ao seu lado, mas também desejava vê-los encaminhados e não conseguia lidar com a rebeldia de alguns, como do Stephen, por exemplo, que só queria saber de beber e ir para a cama com uma mulher diferente a cada dia. Eu senti pena dele por estar tão cercado de gente e ainda assim estar sozinho, já que não podia contar muito com ninguém, nem mesmo o Dunstan (que era o mais ajuizado dos irmãos), pois este vivia em suas terras, um tanto longe dali. Eu queria que o Campion conhecesse alguém para passar o resto da vida ao seu lado. E esse desejo se realizou em Uma Visita Inesperada

- Joy era uma mulher determinada que tinha lá seus motivos para ter saído de casa num tempo daqueles, arriscando a sua vida e de seus criados. Por ser uma história muito curta não temos a oportunidade de conhecê-la profundamente, mas o pouco que nos é mostrado é suficiente para que percebamos que ela é uma feminista em pleno século XIII. Ela abomina qualquer forma de opressão e após um casamento forçado, do qual se libertou ao ficar viúva, pretende se manter longe das amarras do casamento. Não confia nos homens em geral, mas isso não a impede de reconhecer que existem alguns que prestam.rs Como é o caso do nosso querido conde. Claro que isso não a faz mudar de ideia sobre o casamento. Ela podia gostar da companhia dele, querer passar um tempo ao seu lado. Mas partiria quando o tempo melhorasse. E qualquer coisa que existisse entre os dois ficaria para trás. Não estava disposta a perder sua liberdade por nada nem ninguém. 

- Eu gostei muito desta história. É leve, divertida e fofa, daquele tipo que lemos para passar o tempo e colocarmos um pouco mais de romance no nosso dia. O casal é formado por duas pessoas de personalidade forte, que vão atrás do que desejam e que jamais ficam lamentando pelos cantos pelo que não pode ser mudado. É fácil torcer pelos dois, mesmo que o Campion considere a diferença de idade entre ele e a Joy (que tem mais ou menos a mesma idade que seus filhos mais jovens) um grande impedimento pra que fiquem juntos. É aí que entra toda a determinação da mocinha para mostrar que idade não é tudo e ela é muito mais madura do que ele pode imaginar. Eu sempre sorria com o atrevimento dela.rs Eram os momentos mais divertidos do livro. 

Se recomendo?! Claro que sim! :)



Este livro foi minha escolha para o tema de dezembro da Maratona Romances de Banca, que consistia em ler um romance (de banca, claro) que se passasse na época de Natal



O Clã De Burgh 

2- O Anel de Noivado
3- Coração de Guerreira
3.5- Uma Visita Inesperada
4- Um Lorde para Amar
5- A Noviça de Burgh 
6- Reynold de Burgh: O Cavaleiro Negro
7- O Último De Burgh

22 de dezembro de 2018

O Lobo Domado - Deborah Simmons

(Título Original: Taming The Wolf
Tradutora: Elaine Moreira
Editora: Harlequin
Edição de: 2011)


O Clã De Burgh - Livro 1


Forte, corajoso e sempre alerta para o perigo, Dunstan de Burgh, barão de Wessex, era comparado a um lobo selvagem. Destemido cavaleiro de mil batalhas, ele não acreditava no amor. Até o dia em que seu destino cruzou com o de Marion Warenne. Misteriosa donzela de passado nebuloso e olhar doce, Marion começou a derrubar todas as defesas armadas em torno do coração de Dunstan...



Palavras de uma leitora...


- Este livro faz parte de uma série que era muito famosa alguns anos atrás e muita gente me recomendava. Mas como eu demorei a adquirir os livros (e nem tenho todos ainda) fiquei adiando a leitura mesmo sabendo que era o tipo de história que me encantaria. 

O Lobo Domado é o primeiro livro e conta a história do mais velhos dos sete irmãos De Burgh, filhos do orgulhoso e gentil conde de Campion. Dunstan era um temível cavaleiro, conhecido como Lobo e que estava um tanto distante de sua família desde que tinha se tornado o barão de Wessex, recebendo as terras como um presente do rei. Determinado a tornar sua propriedade próspera e combater os ataques de seu vizinho, que queria vê-lo morto para apropriar-se do que era seu, passou a acreditar que só poderia contar consigo mesmo para defender seus interesses e por isso jamais pediu a ajuda do pai ou dos irmãos para fortalecer seu castelo. Mas sua independência não era impedimento para atender às vontades do pai... Mesmo que este lhe incumbisse a missão de levar uma jovem e teimosa mulher de volta aos cuidados de seu tio. 

Marion estava sob a proteção do conde de Campion desde que fora vítima de um brutal ataque, do qual foi a única sobrevivente. Com a pancada que sofreu na cabeça perdeu a memória de toda a sua vida e se não fosse pelo clã De Burgh certamente estaria morta. Fazia meses que estava morando na propriedade do conde e nunca se sentira tão feliz. Embora não pudesse recordar o passado sabia que felicidade era algo que não fazia parte dele. E se pudesse permaneceria naquelas terras para sempre. Mas a chegada de Dunstan, único dos irmãos que não conhecia, também veio a notícia de que o rei exigia que ela fosse devolvida ao tio, que era seu tutor e controlava todos os seus bens. 

Desesperado para manter a moça com eles, pois se afeiçoara como se se tratasse de sua própria filha, o conde tentou convencer um de seus filhos a se casar com Marion, uma vez que tal união retiraria do tio dela qualquer direito. Todavia, mesmo gostando muito dela, nenhum dos seus filhos se dispôs a enfrentar a fobia de casamento e salvar a jovem. Desapontado cogitou a possibilidade de ele próprio casar-se com ela, mas logo descartou a ideia. Mesmo sofrendo não teve outra alternativa senão pedir que Dunstan a escoltasse em segurança até sua casa. 

Tudo poderia ter corrido bem... se Marion não estivesse determinada a fugir de um destino assustador. Porque falta de memória alguma a impedia de sentir em seu coração que estava caminhando para a morte. Assim, mesmo temendo a fúria de Dunstan, não hesitou ao fugir. Uma. Duas. Três vezes.rs E a cada fuga a aproximação entre os dois se tornava mais perigosa. Para seus corações. 

- Este é um livrinho delicioso, daquele que lemos para esquecer a vida real.rs Simplesmente amei cada instante! Mergulhei com tudo na relação divertida e tumultuada dos protagonistas, torcendo para que tivessem seu final feliz. Nada é muito dramático, graças a Deus! Embora os personagens enfrentem alguns desafios e personagens mais do que dispostos a matá-los, o livro é leve, com um toque de comédia, que nos arranca alguns sorrisos ao longo da história. 

Marion é uma peça rara.kkkkkkkk... Acho que é a mocinha mais mentirosa que já conheci no universo dos livros.rsrs Toda vez que fugia e o Dunstan a encontrava a atrevida tinha uma mentira na ponta da língua.rs Isso me divertia bastante, pois ninguém conseguiria acreditar nela. Mas como dizem: de tanto mentir quando alguém conta a verdade ninguém acredita. E é justamente o que acaba acontecendo num determinado momento e eu não pude culpar o Dunstan por não acreditar nela. Isso que dá mentir tanto!rs Todavia, o que tinha de mentirosa também tinha de boa. É uma mocinha aparentemente frágil, já que era subjugada pelo tio agressivo, mas quando conhece o clã De Burgh e é protegida por eles começa a desabrochar e mostrar-se uma personagem corajosa e forte. Eu gostei muito dela. 

Dunstan é o típico mocinho insensível. Durão, guerreiro, arrogante, que resolve tudo esbravejando por aí. Mas no fundo era apenas alguém que ainda não tinha encontrado uma mulher capaz de colocá-lo em seu devido lugar!rs Ele aprende muito ao se apaixonar pela Marion, embora relutasse em aceitar tal sentimento. Dizia que não acreditava no amor. Que não sabia dizer palavras bonitas e que não se importava com ela. Mas suas atitudes demonstravam todo o contrário! Eu também me apaixonei por ele e só desejei a felicidade dos dois. 

Agora eu consigo compreender porque é um dos livros mais amados da série. E com certeza recomendo muito! Não irão se arrepender de ler! 


Este livro foi minha escolha para o tema de novembro da Maratona Romances de Banca, que consistia em ler um romance (de banca, claro) que se passasse no período medieval. O Lobo Domado se passa no século XIII e foi uma escolha perfeita, pois é uma história que me fez viver ótimos momentos como leitora. :)



O Clã De Burgh 

1- O Lobo Domado
2- O Anel de Noivado
3- Coração de Guerreira
3.5- Uma Visita Inesperada
4- Um Lorde para Amar
5- A Noviça de Burgh 
6- Reynold de Burgh: O Cavaleiro Negro
7- O Último De Burgh

17 de dezembro de 2018

Projetos de Leitura para 2019


Olá, queridos!

Vocês sabem que neste ano que está chegando ao fim eu participei de alguns projetos, bem como criei os meus como forma de organizar minhas leituras e me incentivar a ler mais. Algo que deu bastante certo, até. Todavia, falarei melhor disto quando fizer o post de retrospectiva 2018. 

Invertendo a ordem das coisas (já que preferia que a retrospectiva fosse postada primeiro.kkkkkkk) eu vim falar com vocês sobre os projetos de leitura dos quais pretendo participar em 2019. 

Diferente do que fiz este ano, pretendo não estipular uma quantidade de livros para ler por mês e nem deixar predeterminado quais leituras farei para cada desafio. Alguns eu até já posso ir escolhendo, mas atualizarei este post conforme vá lendo os livros e talvez até mudando de ideia sobre os que possivelmente escolha com antecedência e depois resolva substituir. 

Ao todo serão oito desafios.kkkkkkkk... Quatro deles criados por outros blogueiros e quatro sendo projetos pessoais. Comecemos pelos meus próprios desafios:

LER 12 livros nacionais

Foi um projeto que criei para 2018 e que deu super certo, embora eu não tenha seguido a lista inicialmente feita. Alterei boa parte dos livros, mas consegui ler doze e isso me deixou muito feliz, o que acabou por me motivar a mantê-lo e assim apostar mais nos autores nacionais. 

1- A Obscena Senhora D - Hilda Hilst (Resenha aqui)
2- O Amor nos Tempos do Ouro - Marina Carvalho (Resenha aqui)
3- Um Amor Conquistado - Silvia Spadoni (Resenha aqui)
4- Balas, Bombons, Caramelos - Ana Maria Machado (Resenha aqui)
5- Além da Superfície - Duda Razzera (Resenha aqui)
6- Helena - Machado de Assis (Resenha aqui)
7- O Amante da Princesa - Larissa Siriani (Resenha aqui)
8- O Quinze - Rachel de Queiroz (Resenha aqui)
9- Volte para Mim - Paola Aleksandra (Resenha aqui)
10- Tardes de Maio - Carmen O. (Resenha aqui)
11- O Sol na Cabeça - Geovani Martins (Resenha aqui)
12-

LER 12 livros clássicos

Outro desafio que funcionou maravilhosamente e contribuiu inclusive para que boa parte das minhas compras do ano fossem de livros clássicos. Nunca comprei tanto clássico na vida e conforme uma leitura era melhor que outra mais motivada eu ficava.kkkkk... Li este ano (até o presente momento) dezessete clássicos! Consegui ultrapassar a meta e espero que o mesmo ocorra em 2019. 

1- A Obscena Senhora D - Hilda Hilst (Resenha aqui)
2- Antígona - Sófocles (Resenha aqui)
3- Jane Eyre - Charlotte Brontë (Resenha aqui)
4- Poemas Escolhidos - Emily Dickinson (Resenha aqui)
5- O Fantasma da Ópera - Gaston Leroux (Resenha aqui)
6- Helena - Machado de Assis (Resenha aqui)
7- O Estrangeiro - Albert Camus (Resenha aqui)
8- Medeia - Eurípides (Resenha aqui)
9- O Quinze - Rachel de Queiroz (Resenha aqui)
10-
11-
12-

LER 12 livros não lidos em 2018

Estou insistindo no número doze, não é mesmo?!kkkkkkkkk... Porque no fundo, no fundo, eu tenho a intenção de ler pelo menos um livro de cada desafio por mês e assim conseguir cumprir todos de maneira um tanto equilibrada.rsrs Este eu já vou deixar quase preenchido. E nem todos eles faziam parte da meta de 2018, mas alguns foram livros aleatórios que eu desejei ler, mas não deu tempo. 

1- Cruzando o Caminho do Sol - Corban Addison
2- Indias Blancas - Parte 1 - Florencia Bonelli
3- Indias Blancas - Parte 2 - Florencia Bonelli
4- O Coronel e o Lobisomem - José Cândido de Carvalho
5- Memórias de Um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
6- O Cortiço - Aluísio Azevedo
7- Helena - Machado de Assis
8- Adultério - Paulo Coelho
9- Harry Potter e o Cálice de Fogo - J. K. Rowling (Resenha aqui)
10- Revelações - Linda Howard (Resenha aqui) 
11- Tudo o que Ela sempre Quis - Barbara Freethy
12- Maria Bonita - Adriana Negreiros (Resenha aqui)

LER 12 contos e/ou crônicas

Sim!!! Em 2017 eu li muitos contos. Boa parte dos contos que li em toda minha vida foram lidos em 2017. Isso me deixou muito animada e cheia de gás para 2018, todavia as coisas caminharam mal e se cheguei a ler três contos foi muito. :( Por este motivo comprei uma certa quantidade de livros de contos e alguns de crônicas para me desafiar no próximo ano. Quero ler no mínimo doze. A intenção verdadeira é ler o dobro.rs

1- A Chinela Turca - Machado de Assis (conto)
2- Bugio Moqueado - Monteiro Lobato (conto)
3- A Princesa da Língua Bifurcada - Ransom Riggs (conto)
4- A Princesa e o Sapo ou Henrique de Ferro - Irmãos Grimm (conto)
5- Rumpelstiltskin - Irmãos Grimm (conto)
6- Pequenas e Grandes Esperanças - Caio Fernando Abreu (crônica)
7- Pequenas Epifanias - Caio Fernando Abreu (crônica)
8- Berenice - Edgar Allan Poe (conto)
9- O Homem do Cemitério - Nelson Rodrigues (conto)
10- A Profecia da Cigana - Bram Stoker (conto)
11- As Pombas (da Catedral) de St. Paul - Ransom Riggs (conto)
12- Uns braços - Machado de Assis (conto)
13- O jardineiro Timóteo - Monteiro Lobato (conto)
14- Amizade Telefônica - Caio Fernando Abreu (conto)
15- Tempo de dantes - Mário de Andrade (conto)
16- Os esplêndidos canibais - Ransom Riggs (conto)
17- A primeira ymbryne - Ransom Riggs (conto)
18- Frei Simão - Machado de Assis (conto)
19- Aurora sem dia - Machado de Assis (conto)
20- O fisco (Conto de Natal) - Monteiro Lobato (conto)
21- Barba azul - Monteiro Lobato (conto)
22- Morela - Edgar Allan Poe (conto)
23- O visionário - Edgar Allan Poe (conto)
24- O menino azul - Nelson Rodrigues (conto)
25- A carta anônima - Nelson Rodrigues (conto)
26- A índia - Bram Stoker (conto)
27- O mistério do cavalo de Édipo - Caio Fernando Abreu (crônica)
28- Guaxinim do banhado - Mário de Andrade (crônica)
29- A mulher que era amiga de fantasmas - Ransom Riggs (conto)
30- Cocobolo - Ransom Riggs (conto)
31- A menina que domava pesadelos - Ransom Riggs (conto)
32- O gafanhoto - Ransom Riggs (conto)
33- O garoto que podia controlar o mar - Ransom Riggs (conto)
34- A história de Cuthbert - Ransom Riggs (conto)
35- O segredo do bonzo - Machado de Assis (conto)
36- O colocador de pronomes - Monteiro Lobato (conto)
37- Com afeto e mau humor - Caio Fernando Abreu (crônica)
38- Verba Testamentária - Machado de Assis (conto)
39- Conto Alexandrino - Machado de Assis (conto)
40- Noite de Almirante - Machado de Assis (conto)
41- Uma história de mil anos - Monteiro Lobato (conto)
42- O grande passeio - Clarice Lispector (conto)
43- Felicidade clandestina - Clarice Lispector (conto)
44- Uma amizade sincera - Clarice Lispector (conto)
45- Miopia progressiva - Clarice Lispector (conto)
46- Restos do carnaval - Clarice Lispector (conto)
47- Uma fábula chatinha - Caio Fernando Abreu (crônica)
48- Querem acabar comigo - Caio Fernando Abreu (crônica)
49- Verão de julho - Caio Fernando Abreu (crônica)
50- Que depois de me ler - Caio Fernando Abreu (crônica)
51- Carlos chega ao céu - Caio Fernando Abreu (crônica)
52- Na terra do coração - Caio Fernando Abreu (crônica)
53- De laços, seios, sábados e tormentas - Caio Fernando Abreu (crônica)
54- Primeira carta para além do muro - Caio Fernando Abreu (crônica)
55- Ensaio de bibliothèque rose - Mário de Andrade (crônica)
56- Educai vossos pais - Mário de Andrade (crônica)
57- Ex cathedra - Machado de Assis (conto)
58- O caso da vara - Machado de Assis (conto)
59- Uma noite - Machado de Assis (conto)
60- Maria Cora - Machado de Assis (conto)
61- Um homem célebre - Machado de Assis (conto)
62- Os negros - Monteiro Lobato (conto)
63- Os pequeninos - Monteiro Lobato (conto)
64- Miss Dollar - Machado de Assis (conto)
65- Marcha fúnebre - Machado de Assis (conto)
66- A facada imortal - Monteiro Lobato (conto)
67- Come, meu filho - Clarice Lispector (conto)
68- Perdoando Deus - Clarice Lispector (conto)
69- Pai contra mãe - Machado de Assis (conto)
70- Capítulo dos chapéus - Machado de Assis (conto)
71- Uma senhora - Machado de Assis (conto)
72- Dona Paula - Machado de Assis (conto)
73- A igreja do diabo - Machado de Assis (conto)
74- A policitemia de Dona Lindoca - Monteiro Lobato (conto)
75- "Queria ajudar o Brasil..." - Monteiro Lobato (conto)
76- Sorte grande - Monteiro Lobato (conto)
77- Dona Expedita - Monteiro Lobato (conto)
78- Herdeiro de si mesmo - Monteiro Lobato (conto)
79- Rolézim - Geovani Martins (conto)
80- Espiral - Geovani Martins (conto)
81- Roleta-russa - Geovani Martins (conto)
82- O caso da borboleta - Geovani Martins (conto)
83- A história do Periquito e do Macaco - Geovani Martins (conto)
84- Primeiro dia - Geovani Martins (conto)
85- O rabisco - Geovani Martins (conto)
86- A viagem - Geovani Martins (conto)
87- Estação Padre Miguel - Geovani Martins (conto)
88- O cego - Geovani Martins (conto)
89- O mistério da vila - Geovani Martins (conto)
90- Sextou - Geovani Martins (conto)
91- Travessia - Geovani Martins (conto)


DESAFIO 12 MESES LITERÁRIOS

A verdade é que ainda não sei se o desafio vai se manter no próximo ano (participo desde 2017), mas como tenho esperanças que assim seja resolvi mencioná-lo aqui no post. Todavia, se ele realmente acontecer terá um post próprio onde vocês saberão quais foram os temas escolhidos pelas organizadoras e como irá funcionar. As blogueiras organizam tudo pelo facebook e depois aqueles que têm blog e desejam mostrar seus livros escolhidos para cada tema fazem seu próprio post. 


12 LIVROS PARA 2019 - PROJETO DO CANAL AVENTURAS NA LEITURA

Este desafio eu encontrei por puro acaso ontem. Estava passeando por canais e blogs de livros quando me deparei com este canal que eu sequer conhecia. A booktuber do Aventuras na Leitura se desafiou a ler doze livros e o diferencial foi que ela estipulou alguns temas. E foi por apreciar os temas escolhidos que decidi participar. 

São eles:

JANEIRO: livro de não-ficção escrito por uma mulher
FEVEREIRO: livro nacional ambientado no século XX com temática histórica (não cumpri)
MARÇO: Livro ambientado em uma guerra civil
ABRIL: Literatura latino-americana
MAIO: Tragédia
JUNHO: Livro que utiliza o recurso do fluxo de consciência
JULHO: Livro que tenha um animal como personagem
AGOSTO: Romance policial
SETEMBRO: Livro de contos
OUTUBRO: Livro infanto-juvenil/infantil
NOVEMBRO: Livro que virou filme/série
DEZEMBRO: Livro ambientado no estado em que você mora

1- Maria Bonita - Adriana Negreiros (Resenha aqui)
2- Gabriela Cravo e Canela - Jorge Amado (abandonei)
3-
4-
5- Medeia - Eurípides (Resenha aqui) - lido em agosto
6-
7-
8- Boneco de Neve - Jo Nesbø (Resenha aqui)
9- O Sol na Cabeça - Geovani Martins (Resenha aqui)
10-
11-
12-

Como estou fazendo com boa parte dos demais desafios não escolherei ainda os livros que pretendo ler. Quero que a decisão seja meio de momento, sabe? Para não me obrigar a fazer uma leitura que eu não deseje naquela hora. Assim, vocês só saberão quais foram os escolhidos depois que eu tiver lido e feito a resenha, pois atualizarei este post ao longo do próximo ano. 


MULHERES EM FOCO

Este desafio foi criado pela Cláudia e pela Carolina do blog Um Olhar de Estrangeiro. Eu fiquei muito feliz quando soube do projeto por um detalhe muito importante: elas não escolheram apenas autoras que geralmente são escolhidas por aquele projeto que anda pela internet há anos: o LeiaMulheres. 

Eu tenho um certo problema com o projeto que mencionei por ter visto algumas postagens em que as leitoras disseram que determinadas autoras nunca seriam escolhidas como possíveis opções para o incentivo à leitura de histórias escritas por mulheres. E essa discriminação feita, por incrível que pareça, por mulheres me deixou irritada. Assim, foi com um sorriso no rosto que li o post de desafio das meninas do blog Um Olhar de Estrangeiro e a proposta delas de lermos livros escritos por mulheres, sem qualquer discriminação. Não importa o gênero. Não importa se é uma autora conhecida ou não. Tudo o que é necessário é ler uma obra escrita por uma mulher, desde literatura infantojuvenil até clássico. Qualquer gênero é válido. É ou não é um projeto maravilhoso?! :D Eu nunca ficaria de fora! 

Para este desafio já tenho minhas escolhas:

JANEIRO: A Obscena Senhora D - Hilda Hilst (Resenha aqui)
FEVEREIRO: O Amor nos Tempos do Ouro - Marina Carvalho (Resenha aqui)
MARÇO: Harry Potter e a Ordem da Fênix - J. K. Rowling (Resenha aqui)
ABRIL: Corte de Espinhos e Rosas - Sarah J. Maas (Resenha aqui)
MAIO: Flores Partidas - Karin Slaughter (Resenha aqui)
JUNHO: Mar da Tranquilidade - Katja Millay (Resenha aqui)
JULHO: A Viúva - Fiona Barton (Resenha aqui)
AGOSTO: A História de Nós Dois - Dani Atkins
SETEMBRO: Quando a Noite Cai - Carina Rissi
OUTUBRO: Memórias de Uma Moça Bem-Comportada - Simone de Beauvoir
NOVEMBRO: Mary Barton - Elizabeth Gaskell
DEZEMBRO: As Regras da Sedução - Madeline Hunter


PROJETO LEITURA COLETIVA

E por último e não menos importante tem o projeto criado pela querida Amanda do blog Confissões Femininas, para o qual fui convidada este ano e tenho participado ativamente. Ele funciona assim: nós blogueiras e uma autora nacional temos um grupo no WhatsApp no qual planejamos cuidadosamente cada leitura. Depois que as datas são escolhidas, a quantidade de semanas e quais outros blogs talvez queiram participar, fazemos o post de convite aos leitores para que leiam determinado livro com a gente. Para cada uma das leituras é criado um grupo no Facebook no qual interagimos com os leitores e ao fim de cada semana é postado um tópico de debate que vale uma entrada no sorteio que fazemos ao final da leitura, que geralmente é do livro escolhido para a leitura coletiva seguinte. Por exemplo: quando fizemos a leitura de Norte e Sul sorteamos o livro O Conto da Aia, que foi o livro escolhido para nossa última leitura coletiva de 2018 (que encerrou na semana passada). Já aqueles que participaram da leitura de O Conto da Aia e dos debates semanais concorreram ao sorteio de Jane Eyre, de Charlotte Brontë, que será nossa primeira leitura coletiva de 2019. Este projeto é muito querido por mim. O amo demais e por isso seguirei fazendo parte da organização dele no próximo ano. :)

É isso, meus queridos! Eu realmente pretendo cumprir cada um dos desafios. Como terminei a faculdade agora no início de dezembro e me livrei de todo esse estresse (risos) creio que será mais fácil organizar minhas leituras, sobretudo porque ficarei sem trabalhar por alguns meses (com o término da faculdade encerrou também meu contrato de estágio no TRT). Por outro lado, é verdade que estarei estudando para alguns concursos e isso pode sim atrapalhar as leituras, mas veremos como me organizarei.rs

Além de todos esses desafios eu tenho também participado de alguns projetos de longa data, daquele tipo que só concluirei ao passar de vários anos.

São eles:

- Desafio 100 livros: para este desafio eu escolhi cem livros que apostaria ler na vida.rsrs Ele está funcionando bem. Até agora li treze livros. Como comecei em 2018 posso dizer que está sendo um sucesso.kkkkk

- Projeto O Livro da Literatura: sabe aquele livro azul belíssimo publicado pela editora Globo? Nele há um estudo daquelas que são consideradas as maiores obras da literatura mundial. Eu fiz uma planilha no Excel para colocar o título de todos os livros mencionados. Talvez tenha deixado algum passar, mas ao todo estão na minha planilha 290 livros. Até agora eu consegui ler quatorze livros. Mas como eu disse é um projeto para a vida. 

- Projeto Grandes Nomes da Literatura (Coleção Folha de São Paulo): este é um desafio do qual resolvi participar faz pouquíssimo tempo. Estava tendo uma feira de livros no Shopping perto de onde eu trabalho e cada livro (ainda no plástico e novinho em folha) desta coleção estava custando R$5,00 reais. Isso mesmo!!! Como eu namorava a coleção há tempos e boa parte dos livros se encontravam esgotados no site da livraria eu não poderia perder esta oportunidade única. Assim fui adquirindo os livros e agora tenho dezenove. Como são ao todo 28 livros ainda preciso encontrar os demais. Todavia, isso não me impede de me desafiar a ler todos os livros publicados nesta coleção (em destaque estão os que já li):

1- Marcel Proust - A fugitiva
2- F. Scott Fitzgerald - O curioso caso de Benjamin Button
3- Aldous Huxley - Admirável mundo novo
4- Lev Tolstói - A morte de Ivan Ilitch
5- Clarice Lispector - Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres
6- Oscar Wilde - O retrato de Dorian Gray
7- Fiódor Dostoiévski - Memórias do subsolo
8- James Joyce - Retrato do artista quando jovem
9- Luigi Pirandello - O marido dela
10- Virginia Woolf - Mrs. Dalloway
11- Edgar Allan Poe - Assassinatos na rua Morgue e outras histórias
12- Hilda Hilst - A obscena senhora D
13- Franz Kafka - A metamorfose
14- Herta Müller - O compromisso
15- Johann Wolfgang von Goethe - Os sofrimentos do jovem Werther
16- Samuel Beckett - Malone morre
17- W. Somerset Maugham - Férias de natal
18- Machado de Assis - Memórias póstumas de Brás Cubas 
19- Joseph Conrad - O coração das trevas
20- Adolfo Bioy Casares - A invenção de Morel
21- Honoré de Balzac - O pai Goriot
22- Sylvia Plath - A redoma de vidro
23- Ray Bradbury - Fahrenheit 451
24- Fernando Pessoa - Livro do desassossego
25- Graham Greene - americano tranquilo
26- Stendhal - A cartuxa de Parma
27- Alice Munro - Ódio, amizade, namoro, amor, casamento
28- Eça de Queirós - O crime do padre Amaro
Topo