7 de junho de 2019

Além da Superfície - Duda Razzera

Tempo de leitura:
Literatura Nacional
Editora: Digital Pen
Edição de: 2018
Páginas: 260
Onde comprar: Amazon

Sinopse: As pessoas costumam dizer que a primeira vez a gente nunca esquece. Alice só não sabia que a primeira crise de ansiedade também estava nessa categoria. Ela nunca pensou terminar sua graduação com sete quilos a mais do que gostaria, chutada pelo seu namorado, desempregada e (ainda) morando com os pais. E nunca pensou, principalmente, que o Transtorno de Ansiedade Generalizada faria parte do seu cotidiano.
Alice está com 23 anos, e não tem ideia do que fazer ao ver seus planos desabarem. As pessoas esperam que ela siga o modelo de seu irmão, que parece ter a vida perfeita. Seus pais exigem que ela tome um rumo e esqueça o ex-namorado, que agora está com a garota com quem a traiu. Aos trancos e barrancos, Alice precisa se ajustar à vida adulta e a uma nova condição psicológica enquanto tenta encontrar a felicidade.



Eu pensei que fosse fazer a resenha de Helena antes de Além da Superfície, mas quando estou lendo vários livros ao mesmo tempo não sei bem qual leitura concluirei primeiro.rsrs Vai muito do momento e estas duas últimas semanas não foram muito boas para mim. Imagina ler um livro em que a protagonista sofre de ansiedade quando você própria está vivendo uma fase ruim, em que seu mundo parece estar todo revirado! Agora já estou melhor, graças a Deus! E é bom saber que a protagonista do livro, Alice, também conseguiu superar seus próprios problemas (o que não é spoiler!) e amadurecer, encontrar seu caminho sem fazer tantas burradas quanto fazia antes.rs Sim, a Alice é uma personagem que ora entendemos, ora desejamos sacudir! Todavia, no fim ela aprende a se amar. Demora, mas aprende.rs

"Eu, com certeza, tinha muitas expectativas. Infelizmente, nenhuma delas se concretizou."

Neste livro conhecemos uma jovem de vinte e três anos, recém-saída da faculdade que vê seu namoro de três anos chegar ao fim de forma bastante fria. Como se não bastasse a abrupta separação, ainda descobre que foi traída e que o relacionamento que acreditava ser perfeito não passava de uma grande ilusão. Que apenas enganou e machucou a si mesma ao confiar naquele homem. Ela estava deslumbrada, cega. Gustavo era o cara popular da faculdade, enquanto ela era a garota calada, inteligente, para quem todos pediam ajuda com os trabalhos. Vê-lo se interessar por ela a deixou cega para todos os seus defeitos, para a realidade do relacionamento abusivo que viveu. E mesmo reconhecendo o quanto a relação lhe fez mal, sentia falta dele. Queria tê-lo de volta em sua vida e não conseguia lidar bem com a separação. O que contribuiu e muito para as crises de ansiedade que desestabilizaram os seus dias.

"Eu não posso perder o controle. Nunca."

Com o término do relacionamento, as crises cada vez mais frequentes de ansiedade, o tratamento com a psicóloga, os medicamentos prescritos pelo psiquiatra, o sobrepeso que tanto abala sua autoestima, a relação tumultuada de seus pais e agora os problemas do irmão, Alice não encontra o refúgio necessário para se permitir recuperar o controle de sua vida. Todos os seus planos deram errados. Não se casaria com Gustavo. Não tinha um emprego. Ainda morava na casa dos pais tendo que suportar suas interferências e as brigas que eram tão frequentes em sua infância. Precisava respirar fundo e se concentrar em si mesma, mas era praticamente impossível naquele cenário tão sufocante. Não havia ar suficiente. Ou alguém que realmente a escutasse. Que olhasse para ela e dissesse: "Tudo vai ficar bem." Sabia que seus pais a amavam, que sempre poderia contar com seu irmão e tinha amigos maravilhosos. Mas eles de fato a enxergavam? Entendiam o que estava sofrendo?

"Tudo o que quero depois de um banho quente é esquecer que esse pânico vive dentro de mim, como um monstro embaixo da minha cama à espera do anoitecer para atormentar meus sonhos."

E como se não bastasse a bagunça que era sua vida e o desfile de Gustavo com a nova namorada (agora noiva) reaparecem em seu caminho dois ex-colegas do colégio. Lucas e Marcelo. O primeiro era seu amor de adolescência, a quem nunca conseguiu dar um beijo. O segundo foi o primeiro rapaz que a beijou, embora não tivesse sido mais que um selinho. Tantos anos depois ambos eram adultos e trabalhavam no mesmo escritório de advocacia. E Alice só queria entender por qual misterioso propósito do destino eles tinham reaparecido. Afinal de contas, o que a vida ainda lhe reservava? Tinha até medo de descobrir a resposta...

"Nunca sei quando vou entrar em contato com minha ansiedade, com meus pensamentos negativos, com a onda de tristeza sem fim."

Como vocês podem perceber esta não é uma "história de amor", um romance do tipo que a garota conhece o cara certo, se apaixona, eles vivem altos e baixos e são felizes para sempre. Este é um livro sobre uma jovem que sofre de problemas emocionais/psicológicos e precisa lidar com esta situação sem deixar de levantar da cama todos os dias e buscar seu próprio caminho, aprender a se amar e aceitar suas limitações sem que isso de fato a impeça de se desafiar, de ir além. Alice é muito jovem e imatura quando a história começa. Do tipo que se deslumbra fácil, que se entrega por completo sem considerar o mal que o outro está lhe fazendo, que permite que as pessoas a magoem quantas e quantas vezes desejarem. A relação dela com o Gustavo era totalmente tóxica e precisava ter terminado muito antes. Não era para ter durado três meses quanto mais três anos! E precisou ser ele a terminar porque Alice continuava não enxergando nada, acreditando que levava uma vida perfeita ao lado de alguém manipulador, que explorava sua dependência, sua baixa autoestima e sua confiança cega. E Gustavo só terminou, rompeu com o controle que possuía sobre ela porque esperava que ela não fosse capaz de seguir em frente. Porque desejava vê-la para baixo enquanto ele estava muito bem. Nem por um momento passou pela cabeça dele que ela pudesse ficar bem sem ele.

"A verdade é que já estou cansada da minha rotina, desse medo constante de que algo vai dar errado, de que eu sou a errada, de que tudo está errado em minha vida."

Quando ela decide assumir as rédeas de sua vida, buscar um tratamento para sua ansiedade, encontrar um emprego e construir um futuro onde não deveria existir nem lembranças do Gustavo, é um passo e tanto. E as coisas não são nada fáceis. Mas é justamente neste momento que seus dois ex-colegas cruzam seu caminho. Enquanto Lucas a salva de uma situação humilhante envolvendo seu ex, Marcelo a indica para um emprego, que era tudo o que mais necessitava naquele momento. Algo que lhe desse um foco, que ocupasse sua mente e lhe permitisse sair um pouco de casa, além de proporcionar independência, para que percebesse que não era um fracasso que sempre dependeria dos pais e nunca melhoraria profissional e psicologicamente. Ao ser contratada para trabalhar como gerente financeira no mesmo escritório no qual Lucas e Marcelo trabalhavam, a vida de Alice toma um novo rumo. E muita coisa acontece...

"Entrego-me momentaneamente ao desespero para voltar a respirar de novo."

Eu tive alguns problemas com a Alice ao longo da leitura. Não por conta da sua ansiedade, pois nunca na vida julgaria alguém por sofrer de ansiedade, depressão, síndrome do pânico ou qualquer  outro transtorno/doença mental. Eu própria sofro de transtorno de ansiedade, tendo sido diagnosticada cerca de nove anos atrás, quando ainda era uma adolescente. Sei bem como as crises podem ser terríveis, assustadoras e paralisantes. Quando passa é como se nem tivesse acontecido. Voltamos ao "normal" e conseguimos lidar com o dia a dia de maneira razoavelmente satisfatória (embora a ansiedade esteja sempre presente, tentando tirar nossa concentração e nos angustiar). Mas situações dolorosas ou preocupantes tendem a provocar as crises e aí o coração acelera, vem a falta de ar, as mãos começam a suar, ficamos com o corpo gelado e temos o pensamento de que tudo vai dar errado, que nunca mais nada ficará certo em nossa vida, que não conseguiremos sair daquela situação e por aí vai. Pode durar minutos, horas, dias, semanas... Só quem passa por isso sabe o inferno que é. Por isso, entendo perfeitamente a Alice e admiro a sua coragem de não permitir que isso roube a sua chance de ter uma vida normal, independente, feliz. Se por um lado tive problemas com ela por certas escolhas que tomou, por outro lado admiro e muito a sua coragem, sua determinação.

" 'Será que você me escuta também?'. Às vezes é o que desejo perguntar para qualquer um ao meu lado. Será que você me escuta? Será que entende tudo o que se passa dentro de mim?"

Meus problemas com a Alice foram por conta de sua permanente burrice quando se tratava de relacionamento amoroso.rs Eu sei que ela escolhia as pessoas erradas por conta de sua baixa autoestima e seu medo de se envolver com alguém que realmente visse além da superfície, que enxergasse o seu interior. Mesmo assim sua insistência em quem só a usava me fazia querer sacudi-la com força e gritar para ela parar de ser imbecil!rs A pessoa certa estava ali, sempre a ajudando sem esperar nada em troca, sempre a apoiando e a trouxa só aceitando migalhas de atenção, inventando desculpas em sua mente para permanecer com o cara errado!!! E quando ela considerou ver o Gustavo novamente, o traste que ela tinha que agradecer a Deus por ter saído de sua vida, eu quase bati nela.kkkkkkk... Disse para mim mesma que iria entrar no livro e esganar a Alice!rs Todavia, como eu falei, Alice começa a história sendo muito imatura e o processo de amadurecimento não é fácil. Ela precisa apanhar da vida para aprender, precisa se magoar para acordar. Demora, mas acorda. Demora, mas entende que só estava se fazendo mal. Ela cresce muito ao longo da história.

"Às vezes demora para realmente conhecermos quem está ao nosso lado."

Alice não é só alguém com transtorno de ansiedade (generalizada, no caso dela) e relacionamentos amorosos desastrosos. Ela é uma excelente profissional, que trava uma batalha todos os dias, mas não deixa que isso prejudique o seu trabalho. É uma amiga para todas as horas, uma irmã dedicada, uma pessoa incrível, que só precisava olhar para si mesma e se amar. Quando não nos amamos somos incapazes de amar os outros de forma saudável, pois permitimos que as outras pessoas nos magoem frequentemente. E era isso que ela precisava entender. Na realidade, Alice é como muitos de nós, não é verdade? Quantas vezes não deixamos que outras pessoas nos magoem? Quantas vezes já insistimos em relacionamentos que não nos fazem bem? Sejam relações amorosas, de amizade e até mesmo familiares. Somos aprendizes. Mesmo que tenhamos dez, vinte, trinta ou oitenta anos. Estamos sempre em processo de aprendizagem e cometemos erros. Faz parte da vida. Mas reconhecermos nossos erros e não insistirmos em sofrer é essencial. Para nosso próprio bem.

"Quando eu finalmente deixarei de lado meu medo de ser imperfeita, meu medo de crescer?"

Não posso falar muito sobre Lucas e Marcelo por medo de spoilers, mas ambos serão muito importantes na vida da Alice, por um motivo ou por outro. Durante a leitura eu cheguei a falar com a Duda o que eu pensava de certa situação e fiquei um tanto desesperada, com medo de a história tomar determinado rumo que só me enfureceria.kkkkkkk... Mesmo assim eu não quis spoiler e arrisquei a leitura. Graças a Deus, a autora não desconstruiu um certo personagem e a Alice percebeu o que estava bem diante da sua cara.rs

Uma coisa que demorou para me convencer foi a amizade entre Alice, Cris e Malu. Eu não gostava deles. Achava a amizade muito superficial, como aqueles amigos que só temos para sair e conversar sobre futilidades, sabe? Não via profundidade na relação deles e isso me incomodava. Todavia, não foi algo que se manteve até o final. O Cris foi primeiro a me despertar carinho. Ele era estudante de Arquitetura e vivia uma situação difícil dentro de casa, pois tinha uma família tradicional e era obrigado a esconder de todos que era homossexual. Queria ser feliz, se aceitar, mas temia a reação dos pais e das outras pessoas, que fosse julgado por isso. Embora no início o tenha considerado tão superficial quanto a Malu, com o desenvolvimento da história eu passei a gostar muito dele e torcer por sua felicidade. Queria que a autora escrevesse a história dele.

Quanto à Malu, eu tive muitos problemas com ela, quase até o final do livro. Ela me irritava. Sei que existem atenuantes para o seu comportamento e que ela muda muito até o final da história, mesmo assim não cheguei a amá-la. É uma personagem que ainda precisa me provar que realmente cresceu, que aprendeu a lidar com os seus problemas sem descontá-los o tempo todo nos outros. Lamento o que aconteceu com ela, mas, como certo personagem mesmo disse, ela precisava daquilo para aprender alguma coisa. Estava mais do que na hora. Talvez se a autora nos contasse a história dela, num livro próprio, a Malu tivesse a chance de me mostrar que mudou e que tenho motivos para gostar dela.

"Mas, talvez, alguém realmente me escute."

A história é muito envolvente desde o início. É impossível não desejarmos prosseguir com a leitura e descobrir como a Alice consertaria suas próprias burradas, lidaria com sua ansiedade e se reconstruiria no meio do tumulto que era sua vida, com problemas de todos os lados. E a autora não decepciona, porque consegue construir muito bem seus personagens e desenvolver a história que se propôs a contar.

Eu comprei Além da Superfície diretamente com a autora, que é uma pessoa incrível, leitora apaixonada como nós e que respeita muito os seus fãs. Nós fazemos parte da organização de algumas leituras coletivas de clássicos que agora se chama oficialmente Clube de Leitura - Amor por Clássicos, e por isso tive a oportunidade de conversar com ela diretamente e descobrir o quanto é simpática e aberta à opinião dos leitores. Logo no início do livro ela nos conta que há muito dela na Alice e que, como sua personagem, também sabe o que é sofrer de Transtorno de Ansiedade Generalizada. Nas palavras dela: "[...] mas também sei que é possível ter uma vida plena, diferente do que muitas pessoas nos fazem querer acreditar. Por isso nunca desista!" É raro vermos autores tocarem em tais temas, ver essa representação nos personagens. Nem todas as pessoas são iguais e mostrar personagens diferentes é muito importante na literatura também. Às vezes cansa ver aquele mesmo padrão de personagens perfeitos, belos e sem problemas "reais". Alice tem problemas emocionais/psicológicos, tem a autoestima baixa, problemas com o peso (ela se sente muito mal, se acha gorda, feia, se compara com as outras pessoas e se coloca para baixo, até aprender a se amar), problemas na família... ela é muito normal, sendo gente como a gente. E eu queria muito ver mais disso na literatura. Como leio vários livros diferentes, conheço diversas histórias que trazem personagens reais, mas ainda é uma minoria sim. Ainda existe aquele padrão de personagens perfeitos e histórias sempre iguais.

O prefácio escrito pela Francine Porfirio (psicóloga, revisora textual e escritora) também está incrível. Eu amei as palavras dela e grifei diversos trechos. O prefácio inteiro é envolvente e nos dá uma ideia do que encontraremos no livro e da mensagem que a história pretende transmitir. "Esse é um romance sobre como a vida pode nos quebrar, mas também pode nos fazer crescer ao reunir nossos pedaços de novo." [Francine Porfirio]. 

Claro que recomendo muito o livro! E torço para que a Duda continue escrevendo livros que toquem em temas tão reais, que ouse em seguir abordando assuntos que não vemos muito na Literatura e que eu gostaria demais que parassem de ser tabus.

"Somos um universo sob a pele." [Francine Porfirio, no Prefácio]

Leitora apaixonada por romances de época, clássicos e thrillers (não necessariamente nesta ordem). Mãe da gatinha Luana. Filha carinhosa. Irmã dedicada. Amiga para todas as horas. Acredita em Deus. E no poder do amor.

8 comentários:

  1. Oi Lu! Que bom que as coisas estão melhorando, fico feliz em saber! Bom, eu não conhecia o livro ou a autora, mas acho que entendi um pouquinho da história.. Concordo quando você diz ter passado um pouco de raiva com a Alice, eu ficaria p da vida com uma amiga com uma cegueira tão grande e burrice crônica! Meu Deus! Entendo os problemas que se acumularam e dificultaram tudo, mas gostei de saber que aos pouquinhos as coisas foram se encaixando. Gostei da maneira real que você disse que a história foi entregue. Obrigada pela dica!

    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  2. Adorei a parte em que escreve sobre o fator da ansiedade. Eu também sofro há 14 anos com isso e entendo bem como é a vida da personagem. A gente aprende a lidar e segue a vida, mesmo que não seja perfeita. Você descreveu maravilhosamente bem como é, que na verdade quem vive sabe. Ainda quero ler este livro.

    ResponderExcluir
  3. Ooi,
    Eu acho que a gente precisa tanto de livros assim! Livros onde a vida do protagonista não é resolvida quando ele conhece o amor. E eu fiquei super interessada na leitura justamente porque não se trata de uma solução milagrosa. É sempre importante a gente entender e relembrar que nem tudo vai dar certo sempre e quando os personagens passam por momentos difíceis podem nos dar esperança de que vamos superar também.

    Beijoos

    ResponderExcluir
  4. Olá!

    Livros que levantam a bandeira de doenças psicológicas são tão necessários que chega a dor na alma, lembro que quando fui diagnosticada com ansiedade foi tão dificil, além das crises me sentia envergonhada e anormal, graças a Deus a fase da vergonha passou, mas as vezes a crise me alcança e não é fácil. Então livros dessa temática ajudam as pessoas a enxergarem essa condição com mais respeito, importante e empatia, afinal tudo é conhecimento e a leitura popular é um ótimo caminho para isso, conhecer nunca é de mais e quanto mais livros assim encontrarmos, melhor para quem sofre e para quem convive. Adorei a dica, sua resenha e estou doida para conferir, mesmo que eu vá esperar um pouquinho (pelo momento certo) já vou anotar na lista de leitura. Beijos e fica bem!!!

    ResponderExcluir
  5. Achei interessante a história não ir pelo caminho de: moça traída descobre um novo amor e tal. Gostei de saber que o foco desse livro acaba sendo outro e estou bem curiosa para ler! Adorei essa capa, está muito bonita.
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi, Luna!
    Caramba, nunca pensei que uma história dessa tivesse essa carga emocional! Acabou que gostei muito da premissa e me identifiquei com a protagonista. Esse vai pra minha lista de desejados com toda a certeza.
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  7. Acho que o tema da ansiedade precisa ter mais visibilidade na literatura e só pela personagem ser ansiosa e se esforçar pra que isso não a prejudique, já me deixou interessada na leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse livro e nem a autora. Confesso que não é o estilo de leitura que estou buscando no momento e, por isso, não fiquei muito animada a dar uma chance. Porém, o tema abordado é muito importante e parece ter sido bem desenvolvido pela autora. Acho sempre legal quando uma leitura se encaixa com um momento que estamos vivendo, pois parece que traz um certo conforto. Mas fico feliz que você está melhor e que a protagonista também conseguiu dar a volta por cima.
    Vou passar a dica dessa vez só por não ser o tipo de livro que ando buscando no momento. Porém, adorei ler sua resenha e conhecer sua opinião sobre a leitura.
    Beijos!

    ResponderExcluir

Seus comentários são sempre bem-vindos! E são muito importantes para o blog!

Todavia, observe que:

1- comentários feitos apenas para divulgação de sorteios ou coisas parecidas não serão publicados;

2- comentários ofensivos serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog basta mandar um e-mail para contato@emocoesaflordapele.com e eu responderei o mais rápido possível.

Topo