30 de janeiro de 2021

Lições do Desejo - Madeline Hunter



Literatura norte-americana
Título Original: Lessons of Desire
Tradutora: Teresa Carneiro
Editora: Arqueiro
Edição de: 2013
Páginas: 261
Série Os Rothwells - Livro 2

2ª leitura de 2021 (2ª resenha do ano)

Sinopse: Atraente, sutil e tentador, lorde Elliot Rothwell é um homem acostumado a fazer sucesso entre as mulheres e a conseguir tudo o que deseja delas. Mas isso não se aplica a Phaedra Blair. A brilhante e exótica editora não parece disposta a ceder a seu pedido e cancelar a publicação das memórias de um membro do Parlamento que podem manchar o nome da nobre família Rothwell. 
A pedido de seu irmão mais velho, o marquês de Easterbrook, Elliot vai a Nápoles para negociar com Phaedra. Historiador de renome e autor de livros respeitados, tudo indica que ele seja a pessoa ideal para a tarefa. Porém, em vez de encontrar a bela mulher descansando à beira do mar Tirreno, Elliot descobre que ela está presa por causa de uma acusação injusta. Graças ao prestígio da família, o nobre consegue libertá-la, mas também se torna responsável por ela até voltarem à Inglaterra. 
Percorrendo juntos uma das regiões mais belas e românticas da Europa, eles vão descobrir que discordam de quase tudo o que o outro pensa ou faz - exceto o que fazem juntos na cama. E, nessa aula de prazer, será cada vez mais difícil saber qual dos dois tem mais a ensinar.





Depois que li As Regras da Sedução, fiquei com muita vontade de conhecer os demais livros da série, principalmente o terceiro. Só que para lê-lo eu teria que passar pelo segundo.rsrs O que não seria nenhum problema, pois a Phaedra, melhor amiga da protagonista do primeiro livro, e o Elliot despertaram muito a minha curiosidade. Ela, uma mulher feminista (mas acho que na época ainda não se chamava assim) e ele, um escritor. Eu imaginava que a história daria muito certo. Não estava nada preocupada quando comecei a lê-la, em outubro do ano passado

Só que não demorou para tudo desandar. O livro me irritou logo nos primeiros capítulos e eu sentia vontade de esganar tanto a Phaedra quanto o Elliot. Ela, por permitir que homens decidissem sua vida (quando todo o caminho que percorreu era justamente para ser uma mulher livre e dona de si mesma) e ele, por ser tão machista, como se o fato de ela ser feminista (repito que acho que esse nome ainda não existia) fosse uma afronta, uma ofensa direta a ele. Sim, ele era asqueroso a esse ponto. 

Tudo começou por causa da "honra" do falecido pai do Elliot. Com a morte do pai de Phaedra, ela herdou a editora e tinham descoberto que ela iria publicar as memórias do pai, dentre elas as que diziam respeito ao pai do mocinho e poderiam manchar para sempre a família inteira (segundo ele). Elliot estava disposto a fazer o que fosse necessário para impedi-la... E aqui eu faço uma pausa para refletirmos. Phaedra era dona de si mesma e dos seus bens (que eram poucos, mas eram seus). Elliot não tinha nenhum direito ou poder sobre ela. Então, eu me pergunto exatamente o quê ele estaria disposto a fazer para impedi-la... Sedução não adiantaria, pois ela até poderia ir para a cama com ele, mas não cederia, seguiria firme em publicar o que bem quisesse. Enfim... Pegou muito mal esse início, pois ficou "no ar" que ele estaria disposto a qualquer coisa contra uma mulher só para impedir que verdades fossem escancaradas sobre o infeliz do pai, que arruinou a vida da mãe dele, mas merecia permanecer com a "honra" intacta, mesmo depois de morto.

Elliot decide viajar atrás dela (que tinha ido para a Itália por motivos pessoais que não eram da conta dele) para "convencê-la" a não publicar as tais memórias. Tudo bem que ele também tinha coisas para fazer no país, referente aos livros dele, mas o principal motivo foi persegui-la e convencê-la a ser "sensata".

Chegando lá, ele descobre que a mocinha está presa. Sim. Só porque dois imbecis resolveram duelar e em vez de culpar os idiotas por isso resolveram que a culpa era da mulher que ambos queriam. O machismo reina nesta história! Aí, o Elliot decide que vai se aproveitar da situação para que Phaedra fique em dívida com ele, já que o arrogante usa sua posição social para conseguir a liberdade dela. E como tudo gira em torno do poder dos homens: ela só é libertada com a promessa do mocinho de mantê-la sob o seu controle. Aqui o livro já tinha me irritado bastante, mas eu ainda tinha esperança na mocinha. Que ela não aceitaria que decidissem sua vida, que iria se impor e brigar o quanto fosse necessário. Ledo engano! Ela resiste um pouco, mas logo cede a todas as vontades do Elliot, ainda que tentasse convencer a si mesma que estava no controle. Coisa nenhuma!

Uma das cenas mais repugnantes (para mim) foi aquela na qual ele a amarrou na cama. Isso porque ela tentou ir embora e ele não permitiria já que era "o responsável' por ela. A idiota permite que ele a prenda para impedi-la de sair. Depois ele vai para outro quarto e ela passa a noite inteira amarrada. Se um incêndio acontecesse nem teria como se salvar. Eu não acreditei no que estava lendo! Um desconhecido decide que tem direito de amarrá-la e ela nem pede socorro nem nada. Se submete como se ele fosse seu dono, como se ela fosse um objeto que ele poderia tratar como bem quisesse. Eu fiquei muito irritada. 

Pouco tempo depois dessa cena inacreditável, eu abandonei o livro. Estava de saco cheio de tanto estresse. Eu não merecia ler tanto absurdo num livro só.kkkkkk Sério! Eu estava com o sangue fervendo quando decidi abandonar a leitura, estava a ponto de arremessar o livro pela janela.

Agora em janeiro é que resolvi retomar a leitura, com a remota esperança de que as coisas poderiam melhorar. E, a princípio, realmente melhoram... um pouco. Apenas para piorar depois. Não quero dar spoilers e por isso não mencionarei os demais absurdos presentes no livro. Posso dizer que a autora caprichou! Conseguiu transformar uma mocinha feminista em alguém que aceita tudo o que os homens querem, que permite que decidam tudo e danem-se as sua próprias vontades! Sem mencionar o que ela dá a entender pelo passado da mocinha. 

Vou falar brevemente do assunto para que entendam por que fiquei tão irritada com algumas escolhas da autora ao construir a história. Phaedra era filha de pais que nunca se casaram, embora se amassem. O casamento não ocorreu porque a mãe dela era uma mulher que valorizava a própria liberdade e não permitiria perder nem um pouco dela com o casamento. Ela acreditava no amor livre, sem as imposições da sociedade, sem se submeter a regras. Assim, mesmo amando aquele que seria o pai de sua filha, recusou o casamento, para escândalo da sociedade (que sempre se escandaliza com tudo) e manteve a relação por longos anos, de maneira clara, sem esconder de ninguém. Da relação nasceu nossa mocinha e ela tratou desde sempre de educar a menina para ser livre. Só que... O que a autora faz?! Torna a mãe da mocinha uma mulher negligente, que traumatizou a menina com suas crenças, que não soube ser mãe, que impôs seus próprios princípios à ela e que a mocinha era resultado dos traumas do passado. Eu não sei qual foi a real intenção da autora e nem vou supor nada. Simplesmente não gostei da maneira como ela construiu esse passado da mocinha e a relação com a mãe. Passou uma ideia ruim, como se uma mulher livre e que quisesse ensinar a filha a ser dona de si estivesse errada e não soubesse ser mãe. Como se feminismo e maternidade não combinassem. E também deu a entender que Phaedra e suas crenças eram apenas reflexos das crenças da mãe. Que ela não acreditava em nada daquilo "de verdade". Só isso já me fez arrancar duas estrelas do livro. Não sei se alguém mais enxergou as coisas dessa maneira, mas foi essa a impressão que o livro me passou. E não gostei nada. Sobretudo porque sou feminista e considerei de péssimo gosto a maneira como a autora abordou e tratou o assunto. Confesso que senti tanta raiva durante um tempo que considerei tirar todas as estrelas do livro.rs Mas depois respirei fundo e voltei a raciocinar. Todo mundo erra nesta vida e, como eu disse, não posso pensar que a intenção da autora foi ruim, até porque não quero acreditar nisso. Mas ainda estou com raiva da autora e não sei quanto tempo demorará para passar.kkkk

Phaedra me decepcionou de tantas maneiras que eu não saberia nem por onde começar a falar... Apenas na reta final do livro foi que ela voltou a assumir o controle de si mesma, embora a autora novamente tenha feito escolhas que me irritaram. Ser feminista não impede ninguém de escolher ser esposa e mãe, por exemplo, desde que isso seja realmente uma escolha dela como mulher. A autora não precisava tratar toda a crença da mãe da Phaedra como erros de uma mulher imatura, como ela chegou a fazer suas personagens considerarem (essa conversa se passa entre a Alexia e a Phaedra, quando tudo o que Artemis acreditava é colocado em dúvida e tratado como imaturidade) para defender que o casamento poderia ser algo bom. Enfim... O livro foi tão problemático para mim que se eu não tivesse gostado tanto do primeiro e não desejasse tanto ler o terceiro, possivelmente nunca mais leria nada da autora. Toda paciência tem limites e ela testou bastante a minha com esta história. 

Um personagem que evoluiu, e não posso deixar de admitir, foi o Elliot. Que passou a compreender as crenças da mocinha e seus receios, embora no fundo ele também achasse que ela não acreditava em nada daquilo de verdade. No entanto, tenho que reconhecer que ele passou a respeitá-la ao longo do livro e admirá-la como pessoa. Que ele fez um esforço para ser diferente. Mas...

É insuportável para mim a maneira como os personagens tentam convencer a Phaedra de que o erro está nela, que ela é que precisa ceder, que ela precisa "se libertar" do que aprendeu com a mãe senão não seria feliz. Eles tentam convencê-la de que ela está errada, de que a mãe dela não soube criá-la, de que ela não possui aquelas crenças, mas que foi forçada pela mãe a seguir aquele caminho na vida. Enfim... Ainda que o Elliot tenha evoluído, ele também pressionou a mocinha até ela ceder e isso estragou tudo de vez. Não consegui perdoar a história. Acredito no amor dos protagonistas, acredito que serão felizes juntos, mas é uma história que me arrependi muito de ler. 



->  DLL 21: Um livro que você abandonou 



28 de janeiro de 2021

Auto da Compadecida - Ariano Suassuna


Literatura Brasileira
Editora: Nova Fronteira
Edição de: 2014
Páginas: 192

1ª leitura de 2021 (1ª resenha do ano)

Sinopse: O "Auto da Compadecida" consegue o equilíbrio perfeito entre a tradição popular e a elaboração literária ao recriar para o teatro episódios registrados na tradição popular do cordel. É uma peça teatral em forma de Auto em 3 atos, escrita em 1955 pelo autor paraibano Ariano Suassuna. Sendo um drama do Nordeste brasileiro, mescla elementos como a tradição da literatura de cordel, a comédia, traços do barroco católico brasileiro e, ainda, cultura popular e tradições religiosas. Apresenta na escrita traços de linguagem oral [demonstrando, na fala do personagem, sua classe social] e apresenta também regionalismos relativos ao Nordeste. Esta peça projetou Suassuna em todo o país e foi considerada, em 1962, por Sábato Magaldi "o texto mais popular do moderno teatro brasileiro".





*Sinopse acima retirada do Skoob, pois minha edição não vem com sinopse

 
Esta é a primeira leitura que consegui terminar neste mês que foi bastante complicado para mim. Felizmente, ler Auto da Compadecida foi uma excelente escolha para tentar melhorar meu humor, pois trata-se de um livro leve, que nos faz chorar de rir, principalmente no terceiro ato. 

Eu tinha tentado ler o livro na semana passada, mas foram dias bem agitados e fiquei com todas as leituras paradas. Voltei ao início no dia 26/01, não li no dia 27 e concluí hoje, mas é aquele tipo de história que dá para ler facilmente em um dia, caso a pessoa queira e possa dedicar algumas poucas horas exclusivamente a esta deliciosa história. 

A peça, escrita por Ariano Suassuna tendo como inspiração principalmente a literatura de cordel, que é parte importante da cultura do Nordeste, se passa basicamente num só dia (se eu não tiver me distraído e perdido a passagem do tempo) e tem como personagens principais o trapaceiro João Grilo e seu bom amigo inventor de histórias, Chicó.rsrs Todavia, existem outros personagens que, embora pareçam passageiros, vão ser essenciais para o desenrolar dos acontecimentos, como o padeiro e a mulher dele, por exemplo. 

Tudo começa com a doença do cachorro, que a mulher do padeiro (conhecida por ser adúltera e trair o marido com todo mundo) criava como filho. A mulher acreditava que se o padre benzesse o bichinho, ele ficaria curado. Como o marido fazia todas as vontades da mulher, apoiou sua decisão e João Grilo, que era empregado dos dois, resolveu tratar da questão junto ao padre. Não que João Grilo amasse os patrões e quisesse ajudá-los... Longe disso! Na verdade, odiava os dois como a ninguém nesta vida, vez que quando esteve seriamente doente e suplicou por ajuda, não recebeu sequer um copo de água, enquanto a mulher do padeiro preparava as melhores refeições para o cachorro. Ele estava alimentando lentamente todo o rancor e não pretendia deixar de se vingar quando a oportunidade surgisse. 

O padre não aceita benzer o cachorro, pois aquilo era pecado e coisa e tal. Até que João Grilo, mentiroso como só ele sabia ser (risos) diz com toda a lábia que o cachorro era de um tal de Antônio Moraes, um homem importantíssimo na região. Logo, benzer o bichinho deixa de ser pecado e o padre fica ansioso por agradar o senhor Antônio. É assim que se desenvolve uma tremenda confusão que vai envolver sacristão, Bispo, frade e até cangaceiro! Sem mencionar os ilustres personagens Manuel (Jesus) e Compadecida (Nossa Senhora). Claro que também existirá um antagonista que nenhum deles gostaria de ver na frente: "o coisa ruim". 

Quando comecei a leitura eu não sabia nada sobre a história, exceto que era uma comédia. Como sequer tinha visto o filme, estava realmente no escuro, sem ter ideia do que aconteceria. E isso fez com que a leitura fosse ainda mais prazerosa. Não costumo ligar para spoiler (só fico furiosa se for spoiler de algum thriller, suspense, pois aí não tem como, acaba perdendo a graça!rsrs), porém desta vez foi ótimo não ter buscado saber nada sobre as desventuras dos personagens.

Não sei se é sensato dizer que meu personagem preferido foi o João Grilo, seguido de perto pelo Chicó. Como ele era trapaceiro! Mas era também tão divertido!kkkkkkk E o Chicó e suas histórias "impossíveis" de serem reais, mas contadas de uma forma que você chegava a acreditar!kkkkkk Eu ria demais com ele. 

Manuel e Compadecida aparecem só no último ato (a história é composta de três), mas para mim foi a melhor parte da peça. Eu quase chorei de tanto rir. Manuel faz o papel de juiz, o coisa ruim é o acusador e Compadecida é a advogada. João Grilo, como sempre, aprontando todas!rs

É uma história que recomendo muito, até para aqueles que não curtem ler peças. Depois deste livro, senti muita vontade de ler tudo o que o autor escreveu. 

Agora preciso procurar pelo filme. Quero muito ver o João Grilo em ação!rs



-> DLL 21: Um livro adaptado para filme/série



6 de janeiro de 2021

Projetos de leitura 2021


Olá, queridos!


E chegou a hora de conferir de quais desafios participarei este ano. 


Estipulei, ainda no ano passado, como principais metas:


-> Participar do Desafio Literário Livreando 2021

-> Ler 12 livros selecionados antecipadamente

-> Ler pelo menos 50 livros da minha estante


Assim, deixarei aqui neste post perfeitamente organizadas as anotações, conforme for cumprindo os desafios. Para conferir meu progresso, bastará acessar o post, cujo link ficará disponível no menu superior do blog. 


Desafio Literário Livreando 2021


É um desafio criado pela Tâmara Nunes, do blog Livreando. Desta vez, serão três temas mensais e o objetivo é nos incentivarmos a ler mais. Irei atualizando com os livros escolhidos e links das resenhas conforme for lendo. 





Janeiro

1- Auto da Compadecida - Ariano Suassuna (Resenha)
Tema: Um livro adaptado para filme/série

2- Lições do Desejo - Madeline Hunter (Resenha)
Tema: Um livro que você abandonou

3- O Médico e o Monstro - Robert Louis Stevenson (Resenha)
Tema: Um livro de até 200 páginas


Fevereiro

1- O Navio Negreiro e outros poemas - Castro Alves (Resenha)
Tema: Um livro de autor brasileiro nunca lido 

2- O Castelo de Otranto - Horace Walpole  - resenha publicada com atraso (Resenha
Tema: Um livro clássico 

3- A Garota do Lago - Charlie Donlea - leitura concluída com atraso (Resenha)
Tema: Um livro que comprou pela capa


Março

1- Sentimento do Mundo - Carlos Drummond de Andrade (Resenha)
Tema: Um livro de literatura nacional

2- Como Deus cura a dor - Mark W. Baker (Resenha
Tema: Um livro de sua cor favorita na capa

3- Um Carinho na Alma - Bráulio Bessa (Resenha)
Tema: Um livro que termine em um dia 

OBSERVAÇÃO (08 de abril de 2021): Interrompi o projeto de leitura do Desafio Literário Livreando 2021 por conta do falecimento da Tâmara (criadora do projeto), vítima de coronavírus, no dia 06 de abril de 2021. Embora o projeto provavelmente vá continuar no grupo, como uma forma de manter vivo o amor que ela tinha por esse projeto, eu não sou capaz de continuar. Não consigo seguir no grupo e participando do desafio sabendo que ela se foi e de uma maneira tão triste. Não consigo saber que não ouviremos mais a risada contagiante dela, sua alegria e amor aos livros. O coronavírus apagou mais um sorriso, destruiu mais uma família e amigos. Que a Tâmara descanse em paz, ao lado de Jesus, onde não há mais dor!



12 Livros para 2021

1- Tudo o que Ela sempre Quis - Barbara Freethy
2- Mary Barton - Elizabeth Gaskell
3- Tatiana e Alexander - Paullina Simons
4- Corações Quebrados - Sofia Silva
5- Ensaio sobre a Cegueira - José Saramago
6- Diva - José de Alencar
7- Drácula - Bram Stoker
8- Os Tambores do Outono - Diana Gabaldon
9- A Senhora de Wildfell Hall - Anne Brontë
10- Harry Potter e o Enigma do Príncipe - J. K. Rowling
11- Purgatório - Dante Alighieri
12- Paraíso - Dante Alighieri


Ler 50 livros da minha estante


O objetivo é que entre as minhas leituras deste ano a maioria seja de livros que já fazem parte da minha estante. 


1- Auto da Compadecida - Ariano Suassuna

2- Lições do Desejo - Madeline Hunter 

3- A Garota do Lago - Charlie Donlea

4- Como Deus cura a dor - Mark W. Baker

5- 

6-

7-

8-

9-

10-

11-

12-

13-

14-

15-

16-

17-

18-

19-

20-

21-

22-

23-

24-

25-

26-

27-

28-

29-

30-

31-

32-

33-

34-

35-

36-

37-

38-

39-

40-

41-

42-

43-

44-

45-

46-

47-

48-

49-

50- 




4 de janeiro de 2021

Fechando 2020


 

Olá, queridos!


O que dizer do ano que se foi?! 2020 foi um pesadelo de tantas formas diferentes... Tudo o que quero é agradecer a Deus por estarmos vivos, por ainda termos forças para lutar. Por termos esperança... de que dias melhores virão para todos nós. Eu tenho fé que conseguiremos vencer a Covid-19, que a vacina chegará segura e eficaz, e o mundo voltará ao normal. Espero que depois de tudo isso o ser humano aprenda a ser melhor.


Embora tenha me alegrado com a virada de ano, pois 2020 ficava para trás... Não pude deixar de sentir uma imensa tristeza por todas as vidas que esse vírus tirou, por todas as famílias despedaçadas. 2020 se foi, mas as marcas que ele deixou serão difíceis de apagar...


Voltando ao blog... Mesmo com todo o transtorno provocado pelo ano passado, eu consegui ler 70 livros, quando minha meta pessoal era ler 50. Fiquei bem feliz por isso! E para 2021 sigo com a meta de ler pelo menos 50 livros. 


No link Projetos de leitura 2020 vocês conseguem conferir tudo o que li para os desafios/projetos e o que acabou ficando pendente. Mas deixarei aqui um resumo:


Ler 12 Livros Nacionais -> Desafio cumprido tranquilamente. Li 15 livros nacionais. 

Ler 12 Livros Clássicos -> Li 35 livros clássicos. 

Ler 50 livros da minha estante -> Aqui a regra era ler livros que tivessem sido adquiridos antes de 2020. Então, eu li 35, não tendo cumprido a meta.

Desafio Literário Livreando 2020 -> Eu cumpri 50 dos 60 temas. Posso dizer que fui bem.rs

Projeto do canal Aventuras na Leitura -> Eram 10 temas e eu cumpri 9. 

Desafio do canal Literature-se -> Cumpri 11 dos 12 temas. 

12 livros para 2020 -> Este foi um fracasso total.kkkkkk Li apenas 2 dos 12 livros que selecionei. 


Total de livros lidos em 2020: 70 livros. 

Total de filmes: 21

Total de séries finalizadas (completas): 1

- Bay Yanlis (turca)


Total de séries continuadas (que comecei a assistir anos antes e continuei em 2020): 3

- Lucifer

- Erkenci Kus (turca) 

- Dolunay (turca) 


Total de séries iniciadas (que comecei a assistir em 2020): 2

- Bom Dia, Verônica - assisti toda a primeira temporada

- Bridgerton


Séries em dia (que estou acompanhando as temporadas): 2

- Lei e Ordem Unidade de Vítimas Especiais

- Bom Dia, Verônica




E é isso, gente! Feliz Ano Novo!!! Que 2021 seja um ano mais feliz, tranquilo, com muito amor e saúde! 



2 de janeiro de 2021

Livros lidos e não resenhados (outubro, novembro e dezembro de 2020)


Literatura Infantil
Título Original: Lunchtime
Tradutora: Juliana Torres
Editora: Melhoramentos
Edição de: 2018
Páginas: 31 (e-book)

59ª leitura de 2020

Sinopse: Chegou a hora do almoço para uma garotinha, mas ela não está com a mínima fome. A pequena recebe visitas inesperadas e famintas, que... Nham, nham!... comem toda a sua comida! Ufa! Ainda bem que crianças não são saborosas... É hora do almoço! é uma colorida história sobre comida, amizade e diversão! Será que vai dar fome?



Esta é uma historinha infantil, que dá para ler em menos de vinte minutos de tão curtinha. Nela temos uma pequena travessa que não quer comer, pois está muito ocupada desenhando e pintando. Então, a mãe, brava, manda ela sentar à mesa para comer, mas a garotinha apenas fica lá sentada, sem nem tocar na comida, de birra. Claro que não era certo desperdiçar a comida, é o que pensam o crocodilo e o urso que resolvem saborear a refeição no lugar dela.rs Ah, o lobo também aparece para compartilhar a refeição! É uma historinha bem simples e divertida.




Literatura Inglesa
Título Original: Persuasion
Editora: L&PM Pocket 
Edição de: 2011
Páginas: 256

61ª leitura de 2020

Sinopse: Anne Elliot é uma nem tão jovem solteira que, seguindo os conselhos de uma amiga, dispensara, sete anos atrás, o belo e valoroso - porém sem título nobiliárquico e sem terras - Frederick Wentworth. No entanto, o futuro sentimental e financeiro de Anne não é muito promissor, e quando o destino a coloca frente a frente com Frederick, agora um distinto capitão da Marinha britânica, reflexões, conjunturas e arrependimentos são inevitáveis.



O único motivo para eu não ter feito resenha deste livro é que já o li antes, em 2018, e fiz resenha na época (clique aqui para lê-la). Eu o reli em outubro numa leitura coletiva pelo WhatsApp e foi maravilhoso revisitar esta história e seus personagens tão marcantes. Recordei os motivos para ter amado tanto a história quando a li pela primeira vez, bem como voltei a passar raiva com aquela família egoísta na qual a Anne teve o azar de nascer. Mas foi impossível não tornar a sonhar com o amor tão lindo que unia Anne e Frederick e nem o passar do tempo conseguiu destruir. Amo muito este casal!




Literatura Nigeriana
Tradutora: Christina Baum 
Editora: Companhia das Letras
Edição de: 2014
Páginas: 37 (e-book)

64ª leitura de 2020

Sinopse: O que significa ser feminista no século XXI? Por que o feminismo é essencial para libertar homens e mulheres? Eis as questões que estão no cerne de Sejamos todos feministas, ensaio da premiada autora de Americanah e Meio sol amarelo.

"A questão de gênero é importante em qualquer canto do mundo. É importante que comecemos a planejar e sonhar um mundo diferente. Um mundo mais justo. Um mundo de homens mais felizes e mulheres mais felizes, mais autênticos consigo mesmos. E é assim que devemos começar: precisamos criar nossas filhas de uma maneira diferente. Também precisamos criar nossos filhos de uma maneira diferente."
Chimamanda Ngozi Adichie ainda se lembra exatamente da primeira vez em que a chamaram de feminista. Foi durante uma discussão com seu amigo de infância Okoloma. "Não era um elogio. Percebi pelo tom da voz dele; era como se dissesse: 'Você apoia o terrorismo!'". Apesar do tom de desaprovação de Okoloma, Adichie abraçou o termo e — em resposta àqueles que lhe diziam que feministas são infelizes porque nunca se casaram, que são "anti-africanas", que odeiam homens e maquiagem — começou a se intitular uma "feminista feliz e africana que não odeia homens, e que gosta de usar batom e salto alto para si mesma, e não para os homens".
Neste ensaio agudo, sagaz e revelador, Adichie parte de sua experiência pessoal de mulher e nigeriana para pensar o que ainda precisa ser feito de modo que as meninas não anulem mais sua personalidade para ser como esperam que sejam, e os meninos se sintam livres para crescer sem ter que se enquadrar nos estereótipos de masculinidade.

 




Esta foi minha primeira experiência com uma obra da autora. Aqui temos um texto de não ficção, uma versão modificada, conforme a autora diz na introdução do livro, de uma palestra que ela deu em dezembro de 2012, durante uma conferência. No livro, a Chimamanda fala de suas próprias experiências ao presenciar atitudes machistas (até mesmo de amigos e parentes que não percebem o machismo em suas atitudes) e ao se reconhecer como uma pessoa feminista. As dificuldades de ser feminista num mundo tão problemático e num país onde existem costumes que tornam ainda mais árdua a sua luta por igualdade. 

"A cultura não faz as pessoas. As pessoas fazem a cultura. Se uma humanidade inteira de mulheres não faz parte da nossa cultura, então temos que mudar nossa cultura."

É um livro incrível, que eu devorei encantada! E decidi que quero ler tudo o que esta autora escrever! Cheguei a ler longos trechos para minha mãe e minha tia, pessoas que eu luto para que entendam a essência do feminismo, pois é um movimento com o qual elas não têm muita intimidade, não conhecem, apenas ouvem falar coisas ruins sobre o assunto e eu tento mudar isso. Tento mostrar que ser feminista é algo bom, necessário para a construção de um mundo melhor. Amei demais este livro!




Literatura Nigeriana
Editora: Companhia das Letras
Edição de: 2017
Páginas: 57 (e-book)

65ª leitura de 2020

Sinopse: Um texto comovente e propositivo de uma das maiores escritoras contemporâneas sobre como combater o preconceito pela educação.

Após o enorme sucesso de Sejamos todos feministas, Chimamanda Ngozi Adichie retoma o tema da igualdade de gêneros neste manifesto com quinze sugestões de como criar filhos dentro de uma perspectiva feminista.
Escrito no formato de uma carta da autora a uma amiga que acaba de se tornar mãe de uma menina, Para educar crianças feministas traz conselhos simples e precisos de como oferecer uma formação igualitária a todas as crianças, o que se inicia pela justa distribuição de tarefas entre pais e mães. E é por isso que este breve manifesto pode ser lido igualmente por homens e mulheres, pais de meninas e meninos.
Partindo de sua experiência pessoal para mostrar o longo caminho que ainda temos a percorrer, Adichie oferece uma leitura essencial para quem deseja preparar seus filhos para o mundo contemporâneo e contribuir para uma sociedade mais justa.

 



No mesmo dia que terminei de ler o livro anterior, eu comecei a ler este da mesma autora, e que mais uma vez aborda o feminismo, só que agora dando orientações para uma amiga na educação de sua filha como uma menina feminista. A amiga dela tinha pedido sua ajuda, pois queria educar a filha da melhor maneira possível, ensinando valores que a preparassem para enfrentar um mundo desigual, e ter a força necessária para lutar por seus direitos. Eu apreciei muito a leitura e entendi que originalmente era uma carta particular, uma conversa entre a autora e sua amiga. O ponto que não me agradou foi o livro vir com o título "para educar crianças feministas", dando a ideia que são orientações voltadas tanto para a educação de meninas quanto de meninos. E isso não é verdade. Aqui eu não estou fazendo nenhuma separação ou limitação de gênero, não é nada disso. É que a autora o tempo todo volta seu texto para a educação da filha de sua amiga, aplicando e voltando seus ensinamentos apenas para as meninas. E eu esperava algo diferente. Esperava que fosse tanto para meninas quanto para meninos, que fosse realmente um livro com orientações para educar crianças feministas, independente de ser uma menina ou um menino. Embora algumas coisas sim se apliquem aos dois, o livro não é voltado para isso. As orientações acabam excluindo os meninos e fiquei decepcionada com isso, já que a própria autora, em seu livro anterior, defende que o feminismo não é exclusivo das mulheres. Que os homens podem, e devem, ser feministas, fazerem parte desta luta. 



Topo