18 de novembro de 2018

Perto do Coração Selvagem - Clarice Lispector

Tempo de leitura:

"Perto do Coração Selvagem", romance de estreia de Clarice Lispector, assombrou leitores e críticos logo após sua publicação, em 1943. Tendo uma voz narrativa que ora incorpora o mundo interior da protagonista Joana, ora a contempla de fora, o livro alterna dois tempos: a infância, na qual a personagem interroga seres e coisas, e um presente intemporal como a eternidade, em que as vicissitudes de um casamento que jamais representou uma ilusão resumem os outros pequenos desastres que reconduzem a personagem a sua inadequação primordial. Com uma escrita tateante, sonâmbula, Clarice Lispector não recapitula de modo linear as vivências de Joana (como a morte do pai ou a separação do marido, visto desde sempre como um estranho), mas flagra o instante em que cada experiência ou cada encontro eclode com seu enigmático significado, apresentando-se como via de acesso ao "selvagem coração da vida" - conforme a frase de Joyce que, por sugestão do escritor Lúcio Cardoso, Clarice Lispector utilizou na epígrafe e no título desse livro que inaugura uma das obras mais inovadoras da literatura brasileira. 



Palavras de uma leitora...


- A sinopse acima é bem completa resumindo de maneira perfeita esta história. Portanto, eu nem preciso escrever nada.rs E, definitivamente, sequer me sinto preparada para começar a falar deste livro tão diferente e... perturbador. Ainda me sinto confusa, um tanto quanto perdida. 

Quem nunca ouviu falar da Clarice Lispector na época do colégio? Eu passei por textos dela durante as aulas de Literatura, mas nunca senti um desejo grande de conhecer algum dos seus livros. Essa vontade só surgiu quando decidi apostar mais nos clássicos e de tanto o nome da autora aparecer nos sites de pesquisa resolvi colocá-la na minha lista. E não. Eu não estava enganada: sabia bem que a autora tinha uma escrita que incomodava e confundia os leitores. Que seus livros são densos, do tipo que você precisa ler quando realmente se sentir pronto. Eu não estava preparada e por isso caí de cabeça no chão.kkkkkk... 

Sério. Embora eu já tenha lido outras histórias que mexem com nosso psicológico e nos deixam com aquela energia pesada, como se estivéssemos com o peso do mundo sobre os ombros, nada poderia me preparar para a leitura de Perto do Coração Selvagem. E, conforme a sinopse, este foi o trabalho de estreia da autora. Imagine como não devem ser suas outras obras!rsrs 

"Nem o prazer me daria tanto prazer quanto o mal, pensava ela surpreendida. Sentia dentro de si um animal perfeito, cheio de inconsequências, de egoísmo e vitalidade."

- Este é apenas um trechinho do segundo capítulo do livro. Meu exemplar está todo marcado, pois eu destaquei muitos trechos ao longo da leitura, um mais impactante que outro. Ficava tão chocada com alguns que os relia várias vezes para ver se estava realmente lendo direito ou se minha vista estava me pregando peças.rsrs Me perdia em meus próprios pensamentos, tão transtornada com as ideias da protagonista, com suas experiências de vida e a grande confusão que havia dentro da mente dela. Cheguei a pensar que no final ela acabaria por se suicidar, de tão atormentada que parecia, tão fora de órbita. Não estou dando nenhum spoiler, estou só dizendo o que eu achei que aconteceria. Joana, a protagonista desta história, é uma mulher muito perturbada, do tipo que te provoca compaixão, medo, desprezo, choque e até mesmo uma espécie de empatia. E no final ficamos com a sensação de que corremos vários quilômetros para irmos parar no mesmíssimo lugar de partida. 

"[...] como ligar-se a um homem senão permitindo que ele a aprisione? como impedir que ele desenvolva sobre seu corpo e sua alma suas quatro paredes? E havia um meio de ter as coisas sem que as coisas a possuíssem?"

- A história não segue uma linha do tempo muito certa, bem como não se passa sempre no mundo exterior. Como a sinopse bem ressalta o livro se divide entre os acontecimentos no exterior e interior de Joana. De repente estamos dentro da cabeça dela (desejando desesperadamente sair dali), obrigados a ler o que ela pensa, o labirinto que é aquela mente e só queremos fugir, porque é demais para nossa própria cabeça, uma confusão tão grande que nos esgota física e emocionalmente e aí precisamos interromper a leitura ou não conseguiremos lidar com as responsabilidades do dia, de tão transtornados que ficamos com as coisas que se passam no interior da protagonista. E quando menos imaginamos somos levados para o que está acontecendo do lado de fora, o casamento em crise, fadado ao fracasso desde que ambos disseram "sim", o convívio dela com outros membros da família e aí vamos do passado ao presente e vice-versa sem nenhum aviso, o que nos faz ter que prestar mais atenção na leitura para não nos perdermos. 

"Ando sobre trilhos invisíveis. Prisão, liberdade. São essas as palavras que me ocorrem. No entanto não são as verdadeiras, únicas e insubstituíveis, sinto-o. Liberdade é pouco. O que desejo ainda não tem nome."

- Joana é uma personagem que era bem diferente das outras pessoas ainda quando criança. Sempre muito questionadora, não aceitava respostas prontas. Ela sempre buscava mais, queria entender até mesmo o que não possuísse explicação, algo que testava a paciência daqueles que conviviam com ela, embora pelo que podemos perceber seu pai tentasse ter uma relação boa com ela, que não tinha mãe e era criada apenas por ele. Ao mesmo tempo que ela nos parece ter sido uma criança insensível, incapaz de sentir empatia por alguém, também parecia extremamente sensível, necessitada de amor e sem saber como buscá-lo, como provocá-lo nas pessoas. E isso nos angustia e confunde. Há um episódio no livro, pouco antes de ela ser enviada para um internato, no qual o comportamento da menina, que sabia que suas atitudes tinham consequência, mas não se importava com isso, acaba por assustar muito sua tia. Joana tinha perdido o pai e foi enviada para ser criada por essa tia, que era casada e tinha sua própria filha já crescida. Embora a mulher tenha tentado estabelecer uma conexão com a menina passou a se sentir cada vez mais incomodada em sua presença, de tão profundos e e perturbadores que eram os olhares de Joana. Ela despertava medo nos próprios familiares e depois de um episódio em particular a tia decidiu que já não a queria mais em sua casa e decidiu por mandá-la para um internato, para se livrar "daquele problema". Confesso que eu própria senti medo da protagonista.kkkkkkkk... Não dela quando criança, mas da mulher adulta. Da que tinha pensamentos tão... nem sei como explicar. 

"Porque ela nascera para o essencial, para viver ou morrer. E o intermediário era-lhe o sofrimento."

- Como eu disse, o livro não segue uma linha do tempo e nem intercala presente e passado de uma maneira marcada. Não. Uma hora estamos no presente e no trecho seguinte poderemos estar no passado de Joana e é realmente necessário estar atento para não se perder. Além de sermos levados à infância da protagonista também acompanhamos um pouco de seu relacionamento com seu marido Otávio, personagem que também nos causa certo incômodo ao longo da leitura. E ainda tem Lídia, a amante de Otávio, que apesar de não aparecer tanto também deixa sua marca na história. Basicamente o livro acaba por se concentrar nesses três personagens, embora eu ache que a segunda personagem principal seja a mente de Joana.rsrs 

"Viver sobre si mesmo, sobre seu passado, sobre as pequenas vilezas que cometera covardemente e a que covardemente continuava unido. Otávio pensava que ao lado de Joana poderia continuar a pecar."

O interessante de se comentar sobre o Otávio, além do fato de ele ser vil, é que fica nítido que ele decidiu se casar com Joana, abandonando a mulher de quem estava noivo, porque ela era forte. Porque existia alguma coisa nela que ele sentia que sempre tinha buscado em sua vida. Todavia, logo no início do casamento ele se sente preso, não porque estivesse enganado sobre ela ao se casar, mas porque a mesma personalidade que o atraía e lhe dava o que ele desejava também o sufocava, lhe roubando a vontade de viver. Porque a força de Joana era sombria, ele se sentia controlado por ela e com desejos de escapar. No entanto, também queria permanecer. 

"Certamente você estava esperando de mim grandes bondades, apesar do que disse agora sobre minha maldade. Mas a bondade me dá realmente ânsias de vomitar."

- Joana é uma personagem que nos provoca muitos sentimentos contraditórios. Ela é bipolar, sendo levada da alegria incontrolável à tristeza profunda em questão de instantes, com pensamentos tão tumultuados, passando tantos momentos perdida em seu interior, que cheguei a considerar que ela passou boa parte de sua existência vivendo o que se passava em seu interior do que levando uma vida normal do lado de fora. E o que mais me assustava na personagem era a sua maldade latente. Como se a qualquer momento ela pudesse fazer algo terrível, como se a crueldade que ela carregava pudesse explodir de repente. Eu senti muito medo dela. Ela não era normal. E definitivamente não era boa. Joana não sentia piedade de ninguém (talvez um pouco apenas dos animais). Nem amor. Ela queria ser amada, mas existiam momentos nos quais ela também não queria isso. 

Não posso, todavia, negar que Joana nos impressiona com sua força e sua introspecção. Boa parte do livro se passa dentro da personagem e apesar de isso nos sufocar (quase literalmente) também nos faz refletir sobre a maneira como ela enxergava as coisas. É perturbador, sem sombra de dúvidas, mas também é fascinante.rs

- Dei 4 estrelas ao livro, por ser uma obra incrível e conseguir nos atingir de maneira tão forte. Pretendo sim continuar lendo as obras da autora, mas da próxima vez escolherei bem o momento.kkkkkk... Porque é aquele tipo de narrativa que nos desgasta. Que nos rouba a energia e por isso é preciso estar preparada. 

"De súbito recordou-se: ainda agora pensara-o, talvez antes de encostar o braço no de Otávio, talvez naquele momento em que tivera vontade de gritar... Cada vez mais tudo era passado... E o passado tão misterioso como o futuro."

Leitora apaixonada por romances de época, clássicos e thrillers (não necessariamente nesta ordem). Mãe da gatinha Luana. Filha carinhosa. Irmã dedicada. Amiga para todas as horas. Acredita em Deus. E no poder do amor.

18 comentários:

  1. Apesar de já ter ouvido muito falar da Clarice eu nunca li nenhuma de suas obras, mas sou bem curiosa quanto a essa escrita que incomoda, então preciso cair de cabeça no chão rsrs. Os quotes destacados me deu uma boa ideia do que esperar da escrita da autora, principalmente o relacionado as coisas que temos que nos possuem. Quero conhecer pessoalmente o que se passa dentro da Joana e espero ser tão impactado quanto você foi.

    Abraços.
    https://acabinedeleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Com essa resenha você despertou minha vontade de conhecer esse livro. Passei pelas leituras apenas na época da escola e depois apenas vejo resenhas dos colegas nos blogs.
    Sem dúvidas é uma leitura intensa, que nos tira da zona de conforto e mexe com muitos sentimentos.
    Vou tentar conhecer mais dessa leitura nas férias.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  3. Que ótima resenha!!!
    Embora eu conheça a Clarice, acredita que nunca li nenhum livro dela? claro que já li alguns textos, mas nenhum livro ainda.
    Enfim, adorei a sua resenha e achei uma ótima dica, eu já tinha visto esse livro por aí e não tinha me interessada pela leitura, agora fiquei com a maior vontade de comprar.

    ResponderExcluir
  4. Oi,
    Quem nunca ouviu falar de Clarice Lispector nas aulas de literatura? Mesmo assim são poucos os que se aventuram a ler suas obras. Merece meus parabéns não só pela iniciativa, mas, também, pela ótima resenha.
    Não tenho o hábito de ler clássicos, porque costumam ser obras mais densas e questionadoras. Quando chego em casa cansado do trabalho quero ler algo pra me distrair. Claro que isso não significa que o livro precisa ser sem conteúdo, nem que nunca li um clássico. Só prefiro uma leitura mais leve, se é que me entende.
    O último clássico que li foi o Quarto de Giovanni, de James Baldwin. Obra prima da literatura americana lançada em 1956. Conhece?
    Beijos,
    André | Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  5. Olá,

    É comum encontramos quotes da autora pelas redes sociais, só por esses pequenos trechos dá para se ter uma ideia do quanto suas palavras são tocantes. Essa é a primeira r3esenha que leio desse livro e confesso que fiquei bem curiosa sobre o conteúdo do livro que quase te deixou sem palavras, mas, ao mesmo tempo estou receosa, não acho que estou num bom momento para ler algo tão impactante.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Ola...

    Me recordo de ter lido dois livros da autora na epoca do colégio e de fato nao foram leiruras faceis para mim. Esse livro me pareceu interessante, apesar de complexo, porem, descobri que eu nao tenho o dom da leitura de classicos, sendo assim, infelizmente irei passar a sua dica.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Apesar de Clarice Lispector ser um grande nome da literatura, ainda não me sinto preparada para suas obras. Reconheço a excelência de sua escrita, mas ainda não é para mim! Não estou procurando nada que me derrube de cabeça no chão! Rs...
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  8. Sua resenha só confirmou a minha decisão de querer ler esse livro, Clarice arrasa com as palavras e nos conquista a cada frase lida. Irei adquirir meu exemplar, pois estou muito curioso para saber dessa trama.

    ResponderExcluir
  9. Até hoje, o único romance de Clarice que li foi "A Hora da Estrela" e, pelo que me lembro, tive a mesma sensação de desgaste que você.
    Recomendo a leitura do conto "Felicidade Clandestina", é mais linear e não vai trazer desgaste algum, mas os contos do livro "Laços de Família" também são muito bons =D
    Fiquei muito curiosa com sua resenha, vou colocar "Perto do Coração Selvagem" na minha lista de leituras!!

    ResponderExcluir
  10. Me sinto um pouquinho culpada por ser estudante de Letras e nao gostar tanto assim de Clarice, sua obra nao me convence, sabe? O que acho uma pena, porque vez ou outra encontro algum trecho dela e fico totalmente encantada. Tentei ler esse livro mas acabei abandonando porque nao me senti presa a ele.

    ResponderExcluir
  11. Olá, tudo bom?
    Já li algumas obras da Clarisse e são exatamente assim mesmo: confusas, com um fluxo de pensamentos que nos desgasta, mas que é muito interessante! rs Eu senti a mesma exaustão que sentiu quando fiz a leitura de A hora da estrela. Apesar de ser uma leitura mais 'branda', ainda assim tem muita coisa a se pensar e para se digerir.
    Anotei a dica do Perto do coração selvagem e espero poder ler em breve, quando estiver bem tranquila rs
    Adorei demais sua resenha! ♥
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Oi, Luna!
    A escrita da Clarice é assim mesmo, feita para ser profundamente desconcertante. A forma como ela trata os temas e constrói a narrativa é uma das coisas mais bonitas que já li e estudei. Realmente é preciso se preparar para ler qualquer coisa escrita pela Clarice, mas sempre vale a pena. Sempre recomendo A Hora da Estrela, Felicidade Clandestina e Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres, que rendem bons frutos nas leituras.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não li nada da Clarice, mas tenho muita vontade de ler, pois gosto da proposta de suas obras e acho legal quando o livro não segue uma linha temporal, ao mesmo tempo que não demarca por onde está indo.
    Você fez uma análise incrível do livro e me convenceu a ler esse livro, sem dúvidas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Oi Luna!
    Acho que todo mundo já ouviu falar de Clarice Lispector. Primeiro, por causa da sua importância na literatura brasileira e por causa da sua qualidade, e segundo que a gente sempre estuda ela na escola.
    Só li o conto Amor para o vestibular e lembro que só esse pequeno teto já mexia com o leitor.
    Não sabia muito bem do que se tratava esse específico, mas fiquei bem curiosa com o enredo. Dica anotada, mas para um momento em que esteja preparada, pois sei que irei demorar, rsrs.
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Os livros de Clarisse Lispector são clássicos e dificilmente alguém não ouviu falar dela ou de suas obras, mas é muito do que você disse, é preciso ler no tempo certo, se não acabamos criando algo negativo, que bloqueia a leitura, foi o que aconteceu comigo lendo Machado de Assis, não era o momento e acabei abandonando a leitura. Não li Clarisse, apesar de ter vontade, mas também sinto que não é o momento, enquanto isso vou só anotando as dicas hahaha

    Traveling Between Pages

    ResponderExcluir
  16. Olá!
    Eu tive quase os mesmos sentimentos que você quando li "A Hora da Estrela", da Clarice também. Não cheguei a ter medo da personagem, mas me senti mergulhada demais no mundo dela, de um modo até meio angustiante. Mas eu geralmente gosto desse tipo de livro, que trata de questões mais reflexivas do que atitudes propriamente dos personagens, por isso adorei conhecer esse. Ótima indicação! Beijos!

    Jéssica Martins
    castelodoimaginario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Oi, tudo bem?
    Eu acredito que autoras como a Clarice Lispector realmente dependem do momento certo. Confesso que nunca tive muita curiosidade pelos livros dela, apesar de gostar de ler clássicos. É um estilo de leitura que não me agrada muito.
    No entanto, o enredo desse livro é interessante e, pela sua resenha e os trechos que você destacou, dá para ver que é uma leitura intensa.
    Adorei sua resenha e acredito que, mesmo que você tenha sentido que não estava preparada para esse livro, você conseguiu fazer uma ótima análise da obra. Tenho certeza que, quando pegar para ler no momento certo, você irá aproveitar muito melhor a leitura.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  18. Oie, tudo bom?
    Caramba, que livro bacana! Ainda não havia ouvido falar dessa obra de Clarice. Até o momento só li "A hora da estrela" dela (amei muito). Vou pesquisar mais sobre esse. Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir

Seus comentários são sempre bem-vindos! E são muito importantes para o blog!

Todavia, observe que:

1- comentários feitos apenas para divulgação de sorteios ou coisas parecidas não serão publicados;

2- comentários ofensivos serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog basta mandar um e-mail para contato@emocoesaflordapele.com e eu responderei o mais rápido possível.

Topo