6 de março de 2019

Desperte Comigo - Linda Howard

Tempo de leitura:

Título Original: Come lie with me
Tradutora: Celina Romeu
Editora: Harlequin
Edição de: 2012
Páginas: 286
Onde comprar: Amazon

Sinopse: O acidente que deixou Blake temporariamente sem sentir as pernas também havia roubado sua vontade de viver. Seria necessário uma mulher cuja alma estivesse tão paralisada quanto a dele para trazê-lo de volta à vida. Dione Kelley era sua última chance... Ela sabia disso, e entendia o desafio que o caso dele apresentava. No entanto, o que ela não imaginava era que, ajudando Blake a superar a desilusão e recuperar as forças, ela pudesse expor as próprias dores e despertar a cura de si mesma…




Sim, eu estou alterando o formato das resenhas. Estou querendo deixar os posts mais fofos e organizados para que seja ainda mais confortável a leitura de vocês. Espero que gostem! :)

Como eu disse no post Mudanças na aparência do blog, os posts anteriores não serão alterados.

Este é um daqueles livros que lemos depois de vê-los parados por anos em nossa estante, sem que encontrássemos o momento certo para arriscar a leitura. Foram muitas as vezes que considerei ler esta história, mas por um motivo ou outro sempre adiava. E agora percebo que isso foi bom. Porque eu precisava exatamente dela neste momento. Precisava de um livro que me provocasse tantos sentimentos incríveis. Uma história com personagens humanos, reais, passando por problemas que muitos enfrentam todos os dias.

- Dione Kelley, uma fisioterapeuta com um longo currículo de sucessos, estava curtindo suas merecidas férias após meses e meses de muito trabalho. Sempre se dedicava por completo a cada paciente e não permitia que nada a impedisse de ajudá-los a serem o que um dia tinham sido ou começarem tudo do zero, fosse qual fosse o caso. Era uma profissional competente e qualquer um que a olhasse diria que estava muito bem consigo mesma. Que estava satisfeita com a própria vida. E de fato estava. Não era problema algum passar suas férias sozinha. Gostava da solidão. Era sua companheira. Sua amiga. Aprendera da forma mais dolorosa possível o quanto era preferível estar sozinha. 

"Até então existira apenas na superfície, jamais deixando nada nem ninguém se aproximar demais, nunca se permitindo sentir profundamente, permitindo que alguém conhecesse a mulher sob a máscara, porque fora ferida tão gravemente e temia que acontecesse de novo." 

Era jovem demais quando sofreu a maior das decepções. Quando a pessoa na qual escolhera confiar se mostrou um ser bem diferente, um monstro. Tivera que juntar os pedaços, lutar para continuar vivendo. Recomeçar do zero. E conseguira. Talvez por isso tivesse escolhido aquela profissão. Ao auxiliar alguém em sua própria recuperação era como fazer um bem a si mesma. Mas era inegável que também a fazia esquecer de sua vida. Porque cada vez que viajava para uma nova residência, para dedicar-se a um novo paciente, se desfazia das lembranças... dos pensamentos que ainda machucavam. Sim, ela tinha vencido, mas as feridas provocadas doze anos antes ainda estavam em carne viva. 

Ela estava curtindo seus últimos dias de férias quando ele apareceu. Um homem determinado, que lhe apresentara diversos argumentos para que ela aceitasse aquele caso, aquele paciente em particular, cunhado do homem. Dione tinha diversos outros possíveis pacientes para priorizar, mas algo no desespero inegável na voz de Richard a fez aceitar. Ela nunca recusava um desafio profissional e sem sombra de dúvidas Blake seria um. Como Richard dissera, ele se recusava a viver. Tinha se entregado à depressão provocada pelo terrível acidente que o prendeu a uma cadeira de rodas e depois de dois longos anos sem melhoras tinha desistido. 

"Richard Dylan olhou as águas cor de turquesa do golfo, as cristas das ondas douradas pelo sol poente.
- Blake Remington não viverá mais um ano - uma expressão de imensa tristeza cobriu as feições fortes e austeras. - Não como está agora." 

Assim que conheceu seu novo paciente, Dione levou um imenso choque. Era triste demais comparar aquele homem na sua frente, só pele e osso, com o rapaz da foto, tão sorridente e cheio de vida. Blake estava fazendo um ótimo trabalho destruindo-se dia após dia. Os olhos antes de um azul intenso estavam apagados e sua pele estava cinzenta, doentia. Mal tinha forças para olhá-la com raiva e mesmo assim ainda lutou para expulsá-la, determinado a não acreditar mais em nada. A se entregar pura e simplesmente. Mas a mesma garra que usou para reconstruir-se ela estava disposta a utilizar para ser bem-sucedida. Blake Remington não seria seu fracasso. Ela o forçaria a lutar. Nem que ele a odiasse pelo resto da vida. 

"[...] Debruçou-se e colocou as mãos nos braços da cadeira de rodas, aproximando o rosto do dele, obrigando-o a lhe dar atenção. - Vou ser sua sombra. A única maneira de o senhor se livrar de mim é caminhar até a porta sozinho e abri-la para mim; ninguém mais pode fazer isto pelo senhor." 

- Este livro me emocionou do começo ao fim. Por sua realidade. Por nos trazer personagens imperfeitos, partidos em vários pedacinhos. Eu chorei tanto pela Dione quanto pelo Blake, embora eles me fizessem rir com suas discussões. Mas ambos tinham uma carga tão grande de sofrimento que eu sentia uma dor dentro de mim. 

A começar pela Dione que enfrentou um pesadelo tão grande quando tinha apenas dezoito anos. O livro nos revela as coisas com todas as letras apenas perto do final, mas vai soltando pequenas informações aos poucos e não demoramos a perceber o que ela passou. E por conta do que as pessoas costumam chamar de gatilhos, não é spoiler dizer que o livro vai abordar a violência doméstica. E como isto marcou a vida da Dione que mesmo doze anos depois ainda não conseguia confiar nas pessoas e jamais permitiu que outro homem fizesse parte de sua vida. É muito triste ver a dor dela ao mesmo tempo que nos admiramos com sua força, com a forma como ela não permite que isso a atinja profissionalmente. Mas a dor está ali, ainda que ela lute para escondê-la e superá-la. Como esquecer algo tão marcante, tão doloroso? No lugar dela eu também não conseguiria. 

"Nunca mais daria a um homem a oportunidade de machucá-la." 

E aí temos o Blake, outro personagem destroçado pela vida. Só que no caso dele não foi outro ser humano que o feriu. Foi um acidente horrível que sofreu enquanto escalava as montanhas, algo que fazia parte dos seus dias. Era um homem cheio de energia e amava se desafiar, arriscar sempre algo novo. Ir além dos seus limites. Mas daquela vez as coisas deram errado e até mesmo para os médicos era um milagre ele estar vivo. Na sua opinião, porém, aquilo era uma maldição. Porque não queria mais viver. Só queria acabar logo com tudo. Porque era um inferno, um sofrimento profundo, acordar todos os dias e se lembrar que não poderia levantar, que suas pernas não o obedeciam mais. Que pelo resto da vida dependeria de alguém. Não importava que os médicos dissessem que a última cirurgia tinha sido bem-sucedida e que ele voltaria a andar com a fisioterapia. Há muito tempo ele deixara de acreditar. Por isso estava se matando. E não admitia que seu cunhado interferisse aparecendo com aquela desconhecida. Ela não conhecia a sua dor. Não sabia pelo que ele estava passando. E é este embate entre os dois que nos envolve por completo. 

A maneira como a Dione chega como um furacão na vida do Blake é maravilhosa. Ele estava no fundo do poço e ela praticamente o puxou pelos cabelos de lá.rs Se ele gritava ela sabia gritar mais alto e ser mais determinada do que ninguém jamais foi com ele. Todos estavam acostumados a fazer sua vontade ou sentir pena, mas ela não. Iria obrigá-lo a reagir porque desistir não era uma opção. E assim ela faz... No início é o inferno.kkkkk... Ele luta muito contra ela e chega a xingá-la e atirar coisas e nossa mocinha estava preparada para todas essas reações. Não era obrigada a aturar e nem aceitava tudo passivamente. O enfrentava de igual para igual e lhe dizia umas quantas verdades. Mas ela preferia que ele sentisse raiva do que não sentisse nada. E é assim que começa a salvá-lo. 

Blake realmente estava morrendo. A descrição que a mocinha faz dele quando o conhece é de partir o coração. Ele era só pele e osso porque não comia. Já nem sentia mais fome. Estava tão profundamente deprimido que nada mais importava. E eu fiquei pensando que se a Dione nunca tivesse aparecido em sua vida ele teria morrido. :( E pensei em quantas pessoas acabam morrendo de depressão porque ninguém tenta salvá-las. E às vezes não é nem de propósito. A família, os amigos, em certas situações não sabem o que fazer. Blake tinha uma irmã amorosa que estava todos os dias ali para ele, mas nem ela percebeu o quanto ele estava perto da morte. Foi o cunhado que notou e buscou ajuda. Possivelmente deveria ter buscado um psicólogo/psiquiatra, mas entendo por que ele procurou a Dione. Ele atingiu a causa da depressão, que era o fato de Blake estar preso à cadeira de rodas. Então, o melhor, no caso do personagem do livro, era uma fisioterapeuta com um currículo tão bom quanto o de Dione. Blake precisava de um motivo para viver. E este motivo era a esperança de poder voltar a andar. 

Possa ser que alguém venha julgá-lo e dizer que muitas pessoas conseguem viver muito bem sem nunca voltarem a andar. E isto é verdade. Mas ninguém deve julgar a dor do outro. Só quem passa por algo sabe o que sente. A dor nunca é igual. O que uma pessoa suporta não significa que a outra também vai suportar. Nós precisamos aprender a não medir a dor de alguém pela dos outros. Isso é muito injusto. Eu compreendi o Blake. E sei o quanto foi difícil para ele voltar a acreditar. Ele também me emocionou muitíssimo com seu sofrimento e com sua força. Mesmo que a Dione o tenha puxado do fundo do poço foi ele que se manteve na superfície. Ele lutou. E isto ninguém poderia ter feito por ele. 

"Não estava envergonhado das lágrimas que molhavam seu rosto e brilhavam nos olhos azuis. Muito gentilmente, encostou o rosto molhado no dela, uma carícia sutil que misturava a felicidade e as lágrimas dos dois.
Então a beijou." 

O amor que surge entre os dois é muito lindo. É um amor que cura, sabe? Daqueles que cicatrizam as feridas. Nada é fácil. Ambos não ficarão bem num passe de mágica nem nada parecido. Não. Tudo acontece gradualmente, é um processo lento, mas bonito de acompanhar. Eu amei os dois! Não posso dizer que concordo com todas as decisões que tomaram, mas no fim eles escolheram o caminho certo. :)

Preciso dizer se recomendo?!?!?!


*Esta foi minha leitura para o tema de janeiro da Maratona Romances de Banca. Eu só li agora em março, mas antes tarde do que nunca.rs A leitura de fevereiro também está atrasada e devo ler o livro nos próximos dias.rs








Leitora apaixonada por romances de época, clássicos e thrillers (não necessariamente nesta ordem). Mãe da gatinha Luana. Filha carinhosa. Irmã dedicada. Amiga para todas as horas. Acredita em Deus. E no poder do amor.

20 comentários:

  1. BOM DIA LUNA
    COMO é bom ver resenhas de livros de banca
    hoje em dia está se tornando raridade
    EU tenho esse livro tambem está parado há um tempão aqui em casa
    EU ainda não li nenhum livro dessa autora mas já está na hora de consertar isso
    SEMPRE É TEMPO não é? E AINDA BEM que livros não tem data de validade senao estaria perdida rs rs
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Eliane!

      Verdade. E isso é muito triste. Eu sinto falta de ver estes romances nas bancas, sabe? Agora a Harlequin só publica em formato e-book e isso me deixa um tanto irritada.

      Eu recomendaria que você o lesse o mais rápido possível!rs Porque é realmente um livro muito bom. O meu estava parado desde 2012, mas acho que o li no momento certo.

      Sim, sempre é tempo!rs Um dos meus livros preferidos da Linda Howard é Reencontros, então também o recomendo! Leia "Desperte Comigo" e "Reencontros". Só que o segundo é muito doloroso porque é a história de uma mãe que teve o filho sequestrado ainda bebê. :(

      Bjs!

      Excluir
  2. Confesso que não sou muito fã de romances de banca, e por isso talvez nunca me interessaria pela leitura dessa história se tivesse visto esse título antes de ler sua resenha. Infelizmente eu também tenho muitos livros parados na estante e tenho tentado mudar essa situação lendo algumas obras que tenho a tempos. E fico feliz em saber que você leu essa história no tempo certo e que ela te proporcionou um turbilhão de sentimentos, inclusive emoção. Gostei muito da premissa do livro, e já irei incluir na lista de desejados.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Luna.
    Confesso que eu nunca fui muito fã dos livros de banca. Não pelas histórias, mas pelo formato, pelo papel e pelas letras pequenas demais para mim! Rs...
    Então, quando comecei a ler a sua resenha e ficar interessada em ler essa história, me bateu uma tristezinha pensando que eu não conseguiria ler. Felizmente descobri que existe a versão em ebook, disponível na Amazon!!
    Agora vou poder curtir essa leitura e me emocionar!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Camila!

      Sim, o formato de banca tinha esta desvantagem, mas te confesso que sinto falta.rs Eu sou tão apaixonada por eles que aceitava até mesmo aquele formato desconfortável.

      Verdade! Ele está disponível na Amazon e é uma leitura maravilhosa! Espero que você ame!

      Bjs!

      Excluir
  4. Oi, Luna!
    Amei o novo layout do seu blog! Ficou lindo demais! Sobre o livro, não faz muito o meu tipo, então acabei não me interessando. A premissa me lembrou um pouco Como Eu Era Antes de Você, apesar que achei que a mocinha desse livro parece ser mais audaciosa que a mocinha do outro. Parece ser um livro bem dramático, mas fico feliz que tenha gostado e que o romance tenha te conquistado. Beijos!

    Jéssica Martins
    castelodoimaginario.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito, muito obrigada, Jéssica! Eu nunca pensei que teria coragem de mudar o layout do blog, mas deu super certo e também estou amando! :D

      Lamento que não tenha se interessado pela história. :( Realmente é um tanto parecido com "Como Eu Era Antes de Você", mas segue um rumo diferente. E a Dione é mesmo diferente da Lou. Ela é determinada e não deixa o Blake desistir. Formam um casal lindo!

      Bjs!

      Excluir
  5. Olá, Luna.

    Amei esse visual novo do blog e o formato das resenhas também, fica mais fácil de realizar a leitura.
    Quanto ao livro, parece ser uma leitura bem tocante e emocionante, fiquei triste lendo a respeito do estado do paciente, e também da doutora, por ter sofrido ainda tão nova. Com certeza é um livro que me surpreenderia, já irei coloca-lo em minha lista de leituras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Ana Caroline! Fico feliz que tenha gostado! :)

      É uma ótima leitura, do tipo que realmente toca nosso coração. Espero que você ame a história!

      Bjs!

      Excluir
  6. Oi Lu! Que história intensa! Eu leio poucos livros assim, então quase sempre eu acho as histórias bem carregadas de sentimentos. Eu acho que começar assim, com os personagens já maduros o suficiente para saberem lidar, entre aspas, com as próprias situações mais interessante do que aqueles romances com jovens ainda imaturos e que criam situações chatas demais que seriam resolvidas simplesmente. Gosto dessa questão de que os dois são adultos e que eles escolhem como reagir, embora cada um reaja de uma maneira que as vezes não faz muito sentido, e concordo quando você diz que não devemos medir a dor que cada pessoa sente com base nos próprios sentimentos ou nos de outras pessoas. Gostei muito da resenha, como sempre.

    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Aline! :)

      Também aprecio muito com o casal é mais maduro e não se comporta de maneira estúpida.rs Blake e Dione têm seus defeitos, mas são pessoas incríveis, humanas e que aprendem com seus erros, bem como não permitem que situações ruins os controle e faça infelizes.

      Excluir
  7. Olá! Essa história me lembrou um pouco de Como eu era antes de você, mas neste caso, um dos protagonistas não morre, amém! Também acho o fato de eles serem mais velhos e vividos mais interessante á trama, porque aí foca mais nos dois, e em como eles podem resolver os problemas do que em cada um fazendo birra e pirraça. Outra coisa que me deixou interessada foi a maneira como a trama envolve isso de uma pessoa estar desistindo da vida e de viver, e muitas vezes quem está perto, mesmo querendo e tentando, ainda não consegue enxergar a grande dificuldade da outra. Gostei muito da resenha!

    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com ♥ ~

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Adorei o novo formato do blog, está muito fofinho!
    Ahh eu tenho saudades de ler romances de banca, ultimamente minhas leituras tem ido para outros estilos mas foi um gênero que me acompanhou em boa parte do final da adolescência e iniciando a fase adulta.
    Não me recordo de ter lido algo da Linda Howard e essa história tem uma premissa um pouco triste né, fiquei curiosa para saber como a Dione transforma o mundo de Blake.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  9. Oi Luna!
    Fiquei maravilhada lendo sua resenha, parece que estava emocionalmente abalada. Adoro livros de banca tenho alguns guardados são minhas relíquias, fiquei muito curiosa sobre a trama duas pessoas traumatizadas descobrindo o amor é lindo! Essa autora é muito conhecida apesar de não ter lido nada dela ainda, mas tenho dois exemplares dela. Parabéns pela resenha, obrigado pela dica, bjs!

    ResponderExcluir
  10. Há muito tempo não leio nada nesse gênero, e não sei se conseguirei me interessar pelo mesmo. Apesar da ótima resenha e sua opinião bastante favorável, não consigo mais ler sobre essas histórias fortes e de gênero drama, sou muito chorona e meu coração sempre fica despedaçado rsrs Mas é uma ótima leitura para quem curte esse estilo.

    ResponderExcluir
  11. Oi Luna,
    Adoro romances que tem uma carga dramática grande. Acabo torcendo ainda mais pelo casal principal, Você disse uma verdade: Não devemos medir a dor de uma pessoa pela dos outros. Cada um tem o seu limite. Adorei a resenha e já anotei a dica. Obrigado.
    Com amor, André
    Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  12. Oi, Luna! Acho que já li algo parecido, talvez tenha sido justamente esse livro, só não recordo se foi ele mesmo. E concordo com você, cada um sente a dor e lida com ela de uma forma diferente e ninguém tem o direito de julgar.
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  13. Olá Luna!!!
    Estou também mega atrasada nessa maratona que você apresentou aqui no blog, mas espero logo poder me aquietar e ler as mesmas num pulo só.
    Fiquei emocionada com o enredo da história só por conta de sua impressões e já estou caindo de amores pela Dione e pelo Blake.
    Acho que a história nos mostra como cada um de nós precisa às vezes de alguém ou algo que nos levante naqueles piores momentos e isso está muito presente aqui.
    Adorei a resenha!!!

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Oi Luna, eu adoro romances de banca e neste estilo deste aqui, com bastante superação no meio do enredo então, eu me apaixono fácil. Já fiquei bem curiosa pela leitura e pra saber como é que este amor vai curar os dois envolvidos.
    beijos

    ResponderExcluir
  15. Não conhecia essa obra, mas agora que li sua resenha, fiquei bem interessado na trama,seu enredo deve ser surpreendente e muito intenso. anotada a dica.

    ResponderExcluir

Seus comentários são sempre bem-vindos! E são muito importantes para o blog!

Todavia, observe que:

1- comentários feitos apenas para divulgação de sorteios ou coisas parecidas não serão publicados;

2- comentários ofensivos serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog basta mandar um e-mail para contato@emocoesaflordapele.com e eu responderei o mais rápido possível.

Topo