21 de maio de 2019

Contos lidos - Maio/2019

Tempo de leitura:

Olá, meus queridos!

Decidida a continuar com o meu projeto de leitura de contos, logo no dia 05/05 apostei nos contos Verba Testamentária, Conto Alexandrino e Noite de Almirante, todos de Machado de Assis e presentes na coletânea Contos Escolhidos

Verba Testamentária conta a história de Nicolau, que dispõe em seu testamento como última vontade que seu caixão seja fabricado por Joaquim Soares, alguém considerado por todos como um péssimo profissional. Sua disposição acaba por provocar um grande alvoroço, bem como a indignação (ou inveja) dos outros fabricantes de caixões e a notícia daquela última vontade tão excêntrica percorre uma longa distância, sendo discutida na imprensa, chegando até as províncias... Enfim... As pessoas não o entendiam, mas a maioria considerava a atitude como uma manifestação de bondade. 

Ocorre que Nicolau, segundo o conto, não era um homem normal. Padecia, desde a infância, de uma "falha orgânica" que o tornava extremamente agressivo com os outros meninos, desde que eles tivessem brinquedos melhores, fossem bonitos, tivessem um ar gentil, fossem inteligentes, ou seja, tivessem qualquer qualidade que os tornasse melhores que ele. Era algo que Nicolau não conseguia controlar e seu pai tentou de tudo para corrigi-lo, desde surras até trancá-lo em casa. Mas ele cresceu e a "doença" permaneceu. Todavia, com a maturidade, ele deixou de agredir as pessoas e passou a se consumir com a dor que o sucesso dos outros provocava dentro dele. O tormento não era só emocional, mas também físico e seus únicos familiares vivos (irmã e cunhado) faziam de tudo para tornar sua vida mais suportável. 

O conto é muito interessante e cheguei a sentir pena do Nicolau, pois ele parecia realmente doente, de tão extrema que era a inveja que sentia, provavelmente fruto de um complexo de inferioridade que se agravou e deu origem a outra doença com o passar dos anos. Na vida adulta, ele muitas vezes sofria em silêncio e tentava se afastar das pessoas bem-sucedidas para diminuir sua própria dor. E mesmo quando ficou seriamente doente se recusou a ser atendido por ótimos médicos, só aceitando receber medicação se o enganassem dizendo que era algo na verdade prescrito por um ignorante qualquer. Sim, ele preferia morrer a receber tratamento de bons médicos! Não sei qual foi a intenção do autor ao escrever este conto, e acredito que ele possa ser interpretado de várias formas, mas, na minha opinião, Nicolau estava psicologicamente muito doente. 

Conto Alexandrino me deixou horrorizada. Desde o início, quando aqueles dois "estudiosos" resolveram torturar um monte de ratos (e ainda pretendiam fazer o mesmo com outros animais, como cachorros, por exemplo) em nome da ciência, eu fiquei furiosa e nauseada. Segundo eles "os deuses puseram nos bichos da terra, da água e do ar a essência de todos os sentimentos e capacidades humanas". Assim, um deles queria provar ao outro que através do sangue de ratos, por exemplo, poderiam transformar uma pessoa em ladra. E testam a teoria em si mesmos, ingerindo o sangue daqueles animais que eles torturaram. Era uma crueldade tão grande que eu quase parei de ler o conto, de tão mal que me sentia lendo aquilo tudo. Mas continuei, pois queria saber como as coisas terminariam... e realmente não podia esperar por um final como aquele. O autor conseguiu me deixar chocada e aterrorizada. Nem sei o que sinto em relação ao final do conto. 

Em Noite de Almirante temos um conto bem curtinho sobre o amor arrebatador entre um marujo e uma mocinha de vinte anos. Eles se conhecem e se apaixonam repentinamente, mas ele precisa passar muitos meses longe por conta do trabalho, deixando a garota sozinha. Desesperados pela longa separação, eles decidem fazer um juramento de que esperariam um pelo outro, que ficariam juntos. Quando o marujo retorna da viagem disposto a reencontrar sua amada, o conto toma determinado rumo e fiquei até com medo de descobrir como as coisas terminariam.

Uma história de mil anos é mais um conto presente na coletânea Negrinha, de Monteiro Lobato. E quando falamos em contos do Monteiro é sinal de desgraça.rs Sim, todos os contos dele que já li (vários) são de acabar com a gente. Com este não é diferente. A história é bem triste, fala de uma moça inocente chamada Vidinha, que segundo o conto não deveria ter nascido, pois não era da Terra e "não vive na terra o que não é da terra". Ela era quase um anjo e muito frágil, mas vivia tranquilamente com a família no interior, longe do convívio em sociedade, longe das armadilhas do mundo. Até que um homem passa pela casa de seus pais e pede abrigo por alguns dias. E é através dele que ela conhece a crueldade do ser humano. O conto não termina bem e fiquei me sentindo sem esperança depois de lê-lo. 



Felicidade Clandestina é uma coletânea de vinte e cinco textos da Clarice Lispector. Alguns são contos, mas não todos, pelo que pude entender. E não estava nos meus planos ler nenhum conto da Clarice no momento; primeiro porque eu sequer tinha livros de contos dela, segundo porque não estava nos meus planos iniciar a leitura de nenhuma coletânea nova enquanto não terminasse as várias que já estou lendo desde janeiro. Assim, O Grande Passeio foi uma baita surpresa para mim. Um conto que eu nem sabia que iria ler.kkkkkk...

Isso aconteceu hoje, dia 21/05. Eu passei pelo canal Ler Antes de Morrer, da Isabella Lubrano, e vi que ela faria a leitura de um conto da Clarice. Como eu já conhecia a autora por conta de um livro dela que li pouco tempo atrás, resolvi continuar assistindo o vídeo e fiquei completamente chocada... e bastante emocionada. A Isa leu o conto na íntegra para nós e foi tocante ver o quanto ela foi atingida por ele, pois ficou visivelmente abalada pela história. A história realmente nos causa um grande impacto, mexe com nossas emoções e por isso... embora tenha "ouvido" o conto... decidi comprar o livro para lê-lo. Só que eu não queria ter que aguardar a entrega e optei por comprar o e-book na Amazon e não o livro físico, mesmo a diferença de valor sendo muito pequena entre um e outro (e quase nunca compro e-book). E foi assim que esta coletânea acabou surgindo em minha vida.rs

"Era uma velha sequinha que, doce e obstinada, não parecia compreender que estava só no mundo."

O conto O Grande Passeio é para ser lido com um lenço ao lado, pois vai atingir um ponto sensível em seu interior. :( Ele traz a história de uma senhora idosa que sofre de demência, possivelmente Alzheimer, embora o texto não deixe claro. Ela é uma senhora adorável, muito doce e simpática, mas que sofreu severas perdas na vida, não tendo mais sua família ao lado. Seus filhos morreram de maneira muito triste e seu marido também se foi. Só restou ela. Sem ter quem se importasse. Precisando contar apenas com a "caridade" das pessoas que, no início, até sentiam pena, mas depois enxergavam nela um fardo, algo que não queriam mais em suas casas. Assim, ela acabava não parando por muito tempo numa casa e logo era enviada para a próxima pessoa "caridosa", que não demoraria a se cansar de sua presença, por mais boazinha e quase invisível que ela fosse. 

"Tivera pai, mãe, marido, dois filhos. Todos aos poucos tinham morrido. Só ela restara com os olhos sujos e expectantes quase cobertos por um tênue veludo branco."

É muito duro acompanhar o quanto essa senhora sofre com o descaso, a negligência das pessoas. Entendo que ela não era da família delas, mas era um ser humano e a tratavam quase como um objeto qualquer. Isso dói dentro da gente, pois além de sentirmos pela personagem, sentimos por nós mesmos. Porque é fácil nos colocarmos no lugar de Mocinha (como ela preferia ser chamada, mas seu nome era Margarida) e imaginarmos nossa velhice. E se estivermos sozinhos? E se não tivermos forças para cuidar de nós mesmos, se dependermos da caridade dos outros? Só nos imaginarmos na situação de Mocinha já é duro, doloroso! :( E a forma como o conto termina destroça nosso coração. 

Este conto acaba por nos fazer pensar também nos tantos idosos que estão abandonados por aí, rejeitados por suas próprias famílias, tratados com desprezo pela sociedade... Quando estagiei por um tempo num determinado hospital eu vi idosos que não recebiam sequer uma visita, embora tivessem família. Isso partia meu coração. Porque eles ficavam olhando para o nada, sabendo que naquele horário outras pessoas internadas estariam recebendo seus familiares. Este foi apenas um dos motivos para eu ter ficado longe da Enfermagem por tantos anos... não tinha coração para suportar tanta dor. Era comum eu chegar em casa chorando quase todos os dias. Admiro muito as pessoas que trabalham cuidando daqueles que se encontram em situação de vulnerabilidade, porque é preciso muita força para suportar, para não desmoronar e perder por completo a fé no ser humano. 

Se quiserem conferir a resenha que a Isa fez sobre o conto (na qual ela lê o conto em voz alta para os leitores) basta clicar aqui

Felicidade Clandestina, conto que dá título ao livro, é curtinho, mas também mexe com a gente. Traz a história de uma menina apaixonada por histórias, mas que não tinha muitas condições para comprar livros. Por ironia do destino, ela possuía uma colega cujo pai era dono de livraria e, portanto, a menina tinha acesso a muitos livros, mas diferente dela não apreciava a leitura. E por ser uma pessoa perversa desde criança, se aproveitava do anseio e das dificuldades da outra. Foi assim que ela, por pura maldade, prometeu à apaixonada por livros que lhe emprestaria o livro que ela mais desejava ler, uma história com a qual ela sonhava, mas sabia que não teria condições de comprar. E a partir disso se iniciou um jogo muito cruel, no qual a menina perversa brincava com o sofrimento da outra, sempre mandando que ela retornasse "no dia seguinte" para pegar o livro emprestado e sempre inventando uma desculpa nova para que a menina voltasse mais uma vez no outro dia. Eu senti muita raiva. É difícil eu detestar uma criança, mesmo quando personagem de um livro (exceção para o Draco Malfoy e aqueles seus dois amigos, pois detesto esses personagens desde Harry Potter e a Pedra Filosofal.rs), mas a maldade dessa menina me fez desprezá-la e nem posso dizer que os pais eram responsáveis, pois o pouco que a autora mostra da mãe da menina nos passa a impressão de que ela era uma boa pessoa e não compreendia como a filha podia ser daquele jeito. Não contarei como o conto termina, mas posso dizer que amei o final. :)

Uma amizade sincera é outro conto curtinho presente nesta coletânea e que me envolveu por completo, pois ele trata de uma situação que acredito que todos nós já passamos pela vida: o desgaste de uma amizade ou o distanciamento de um amigo querido, de alguém de quem recordamos com carinho e com aquela saudade dolorosa. Um amigo que talvez não vejamos há muitos anos, mas que se reencontrássemos abraçaríamos com força e com um sorriso sincero no rosto, como se o tempo não tivesse passado, pois mesmo com o distanciamento provocado pela vida, a amizade sempre foi verdadeira. Amei este conto, apesar de ele ter me deixado um tanto triste. 

Miopia progressiva é um conto mais complexo, diferente dos três acima que entendemos rapidamente. Ele nos confunde um pouco no início até que consigamos acompanhar o raciocínio e as divagações do protagonista. 

"Se era inteligente, não sabia. Ser ou não inteligente dependia da instabilidade dos outros."

Este início do conto é perfeito, um dos melhores inícios que já li. O personagem é um garoto precoce que questiona a instabilidade dos outros e, mais tarde, a sua própria. Ele percebe que o que o outro pensa ou não sobre você depende muitas vezes do momento e do estado de espírito daquela pessoa. Muitas vezes a opinião do outro passa longe da realidade do que você é. Porque "inteligente", "dócil", "amável", "educado" são apenas opiniões instáveis que podem mudar de um instante para o outro, de uma pessoa para outra. Do mesmo modo que existiam aqueles, em sua própria família, que o consideravam inteligente ou dócil, num outro momento, e no mesmo núcleo, pensariam diferente, daí à instabilidade de tudo. E conforme vai amadurecimento ele nota sua própria instabilidade, mas se considera acima de tudo isso, como se pudesse ter o controle por estar consciente do que se passava. 

"[...] era superior à instabilidade alheia e à própria instabilidade. De algum modo pairava acima da própria miopia e da dos outros." 

Ele também reflete sobre a prisão que é estar sujeito à opinião alheia. Como se ao te considerar amável a pessoa te obrigasse a ser aquilo porque é este o julgamento que ela tem de você e por isso você tem que estar à altura, não podendo decepcionar a pessoa sendo algo diferente. Entendi perfeitamente o personagem aqui, uma vez que muitas vezes na vida passei por isso. De desejarem que eu fosse o que pensavam e quando eu agia de modo diferente ficavam decepcionados: "Por que você mudou? Você não era assim!" 


"[...] por um dia inteiro ele não seria nada, simplesmente não seria."

O conto é bem reflexivo e eu gostei muito de tudo nele, mesmo que tenha exigido de mim uma atenção muito maior para conseguir compreender o que a autora estava tentando dizer. Até agora não li nenhum conto desta coletânea que tenha me decepcionado. Todos são maravilhosos, muito envolventes e que nos fazem pensar, sentir, desejar... que realmente mexem com a gente. 

Restos do carnaval é um conto que assim como O grande passeio me deixou muito triste. Nele temos uma menina de oito anos que quer apenas ser feliz e ama o carnaval. Ela diz que o carnaval é dela, mas reconhece que dele pouco participava, pois com uma mãe muito doente em casa nunca pôde participar das festas, de nenhum baile infantil ou sequer vestir uma fantasia. Ser, por um instante, outra pessoa. Ter, por um momento, outra vida. 

Todavia, houve um carnaval em que algo importante aconteceu: a mãe de uma amiga resolveu fantasiar a filha. E enquanto assistia os preparativos, a criação da fantasia, ela ficou encantada, desejando secretamente uma igual. A mãe da menina, então, como sobrara o suficiente, decidiu criar uma fantasia para ela também e nossa personagem nunca foi tão feliz como naquele momento. 

"Naquele carnaval, pois, pela primeira vez na vida eu teria o que sempre quisera: ia ser outra que não eu mesma."

Porém, algumas coisas acontecem depois disso e ficamos muito tristes por essa menina. :( O conto até que termina de uma boa bonita, mas ficou aquele sentimento de tristeza pela criança que só queria ser criança, que só queria ser feliz, mas o destino, como ela própria reconhece, é impiedoso, irracional. 

E estes foram os cinco primeiros contos que li da Clarice. Minha única experiência com a autora tinha sido através da leitura de Perto do Coração Selvagem, um livro muito complexo, que utiliza o fluxo de consciência para dificultar mais as coisas (risos), mas que é arrebatador. Impossível ficar indiferente à leitura das obras desta autora. 

Sei que hoje ainda é dia 21, mas com tantas leituras em andamento e metas para cumprir até o final do mês, não lerei mais contos por agora. Só em junho, se Deus quiser! :)


Leitora apaixonada por romances de época, clássicos e thrillers (não necessariamente nesta ordem). Mãe da gatinha Luana. Filha carinhosa. Irmã dedicada. Amiga para todas as horas. Acredita em Deus. E no poder do amor.

8 comentários:

  1. Olá Luna
    Os contos que você leu parece bem interessantes
    Ainda não tenho o hábito de ler -los apesar que são leituras rápidas e que trazem as vezes o cotidiano até nos
    Slgundais alegtes outros mais tristes
    Vejo que trouxe um mixto de emoções para você
    Sobrou até para o Draco Monfoy KKK se o pai dele descobrir kkkk
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Tudo bem? Leu bastante.
    Eu andei meio devagar.
    Alguns dos contos mencionados eu já conhecia, e outros gostei de saber um pouco mais a respeito.
    Não é o tipo de leitura que ando querendo para o momento, mas certamente, depois vou querer conferir algun.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Oii, tudo bem?

    Ainda não conhecia a maioria dos contos citados, mas fiquei bem chocada com o Conto Alexandrino, acho que não ficaria muito confortável lendo esse conto, parece ser bem cruel mesmo. Fiquei bem interessada em Noite de Almirante, parece ser uma história fofa (ou não, não sei kk) mas estou receosa quanto ao final, será que a mocinha realmente espera por ele? Acho que vou ler para descobrir. Também me interessei muito por Miopia Progressiva, parece bem reflexivo e profundo, estou precisando ler algo assim. Obrigada por compartilhar!!!
    Amei a sua resenha!!!

    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  4. Oi Lu! Eu não sou uma leitora de contos. Juro que teno, mas acho difícil demais quando me apego a uma história ou a personagens que limites de linhas para terminar. Eu odeio me conectar e depois ficar de boca aberta com um final que não me satisfaz, não pela escrita, mas pela vontade de continuar lendo e não ter mais nada. =( Li Felicidade Clandestina em período escolar, e confesso que não gostei muito, talvez por não ter maturidade o suficiente para entender. Talvez crie coragem para ler contos e perder esse medo que eu tenho de histórias curtas. Obrigada pelas dicas!

    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  5. Olá, Luna.

    Uma História de Mil Anos e Felicidade Clandestina foram contos que me deixaram super curiosa, já outros eu achei a história bem bizarra, como esse conto do rato.
    Espero que em junho você realize a leitura de bons contos! 💗

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Quantos contos interessantes. Faz tempo que não leio nada da Clarisse Linspector bom saber que os textos te surpreenderam. Não conhecia esse conto do Monteiro Lobato, parece ser uma história bem triste mas ainda me deixou com vontade de conhecer.

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  7. Oi, Luna! Tudo bem?
    Acho muito legal sua iniciativa de se dedicar a ler contos. Confesso que eu quase nunca leio, é um estilo de leitura que não funciona muito bem para mim. Mas já li alguns do Machado de Assis e gostei bastante. Não conhecia nenhum desses três que você citou, mas fiquei interessada em ler Noite de Almirante, pois fiquei curiosa para saber o que aconteceu no final. Sobre os demais contos, nenhum chamou muito minha atenção, mas tenho vontade de ler algo da Clarice e do Monteiro Lobato algum dia.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Eu adoro contos e desconhecia este do Monteiro Lobato que foi um autor que marcou minha infância, mas que perdeu o brilho conforme os anos passaram.
    Anotei as dicas e espero poder conferir em breve.
    beijos

    ResponderExcluir

Seus comentários são sempre bem-vindos! E são muito importantes para o blog!

Todavia, observe que:

1- comentários feitos apenas para divulgação de sorteios ou coisas parecidas não serão publicados;

2- comentários ofensivos serão excluídos.

*Se deseja entrar em contato com a administradora do blog basta mandar um e-mail para contato@emocoesaflordapele.com e eu responderei o mais rápido possível.

Topo